Por pbagora.com.br

O militar preso na Espanha sob suspeita de tráfico de drogas voltaria ao Brasil no mesmo avião do presidente Jair Bolsonaro, que está no Japão para o encontro de líderes do G20 e faria uma escala em Sevilha antes do regresso ao Brasil. A informação foi repassada nesta quarta-feira (26) pelo presidente em exercício, Hamilton Mourão.

Ao conversar com jornalistas, Mourão explicou que, em viagens presidenciais internacionais, uma aeronave decola antes do avião presidencial para checar a segurança do trajeto. E era nesta avião, chamado de voo da bomba, que o militar estava. “Quando tem essas viagens, vai uma tripulação que fica no meio do caminho. Então, quando o presidente voltasse agora do Japão, essa tripulação iria embarcar no avião dele. Seria Sevilha — Brasil”, disse Mourão.

Ao ser questionado se seria uma falha muito grave o fato de o militar ter entrado com drogas em uma aeronave da Força Aérea Brasileira (FAB), Mourão desconversou, dizendo que ele não estava no avião presidencial quando foi preso. Ainda segundo o vice-presidente, o suspeito era “sargento taifeiro”, função equivalente à de um comissário de voo, e, devido à apreensão de drogas, estava trabalhando como uma “mula qualificada”.

 

Congresso em Foco

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Avião de Bolsonaro arremete em MT por causa da fumaça de queimadas

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse nesta sexta-feira (18) que o avião em que ele estava teve de arremeter ao chegar a Sinop, em Mato Grosso, pois a visibilidade “não estava…