“Esse lanche demora pra p…”, reclama um serralheiro sentado no McFavela. Na mesa ao lado da lanchonete de São Miguel Paulista (zona leste de São Paulo), o entregador de gás Eduardo Lepschis elogia a atração da casa, o MacLarica (R$ 5): “Ele mata a fome. Pra quem tá na correria na comunidade, dá para trabalhar o dia todo.”

A rede tem duas unidades. Começou com um quiosque no bairro dos Pimentas (Guarulhos) e se expandiu para essa unidade paulistana encravada na favela Pantanal e à beira do córrego Jacu. “Você não quer entrar de sócio meu para a gente abrir uma filial no Itaim Paulista?”, se entusiasma o dono do estabelecimento, propondo que a reportagem do UOL Notícias abra uma franquia.

O empreendedor Carlos não dá o sobrenome porque sabe que vem processo da multinacional McDonald´s por aí. Também se precaveu de qualquer mal-entendido entre o público consumidor com um grafite político na parede lateral da loja: “O McFavela é contra a burguesia que menospreza nós que somos da periferia.”

“O nome é uma crítica ao McDonald´s, não à comunidade. Escrevi essa frase para o pessoal daqui não achar que eu estou tirando um sarro”, se explica o empresário, que planeja mais uma ação de marketing sarcástica. “Vou fazer o dia do McLanche Infeliz, distribuindo brindes para quem comprar um lanche.” Outro exemplo é o McPicanha, que custa R$ 7,80, e é apelidado de “Pode Pá que é Diretoria”. “É a linguagem da molecada para mostrar que esse sanduíche é especial”, fala Carlos.

Carlos confessa que buscou inspiração na iniciativa de Adelmo Siqueira, que há 12 anos possui lanchonete em Heliópolis, a maior favela paulistana, situada na zona sul da cidade. “Sou um imitador. Fui vender batata frita numa festa lá e gostei do nome. Na favela tem muito dinheiro. O favelado gasta pouco com luz, água e casa. Por isso, tem dinheiro para outras coisas.”

A ironia é que o empreendimento do copiador começou quando o pioneiro viu uma notificação obrigá-lo a mudar de nome. Em meados de 2008, seu Adelmo teve de rebatizar sua loja de Minha Favela Lanches. “Manda quem pode, obedece quem tem juízo” foi o ditado que o senhor de 55 anos adotou para não comprar briga com firma dos EUA. Ele sabe que, dentro e fora da favela, há sempre uma hierarquia.
 

Sua mulher, dona Rose, acredita que a medida foi tomada depois de reportagem em revista que comparava os preços e os sabores do Mec Favela e o do McDonald´s.

“É inveja. Eles olharam que tem gente ganhando dinheiro na favela e foram para a Justiça. É palhaçada proibirem um nome da hora como esse”, afirma o cliente Jefferson Sousa, com um x-calabresa na mão.

Seu Adelmo conta que o nome foi a garotada da favela que colocou. E continua se referindo à hamburgueria pelo nome criativo, apesar do “Mec” do toldo ter recebido tinta vermelha, e o da placa estar coberto por fita adesiva. Já o uniforme dos funcionários foi trocado, só ficou o slogan: “O Rey do Hambúrguer 100% Heliópolis.”

Na parede da loja, uma foto do senador petista Aloizio Mercadante mostra o visitante famoso abraçado com as funcionárias com o uniforme com o nome antigo. Ao lado, um comunicado de seu Adelmo explica a mudança de nome após medida judicial do McDonald´s.

Já Carlos da favela Pantanal diz que persistirá com o nome e logo similar ao da marca que virou sinônimo da globalização norte-americana. “Continuo até eles virem prá cima”, diz, afirmando que já patenteou o nome. Já o McDonald´s, em nota à imprensa, afirmou considerar “inapropriado comentar temas que envolvam a esfera jurídica”.

 

 

UOL

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Navio fantasma pode ter causado manchas de óleo que contaminaram praias do Nordeste

Desde o fim de agosto e início de setembro, diversas manchas de óleo têm aparecido em praias do Nordeste, inclusive nas praias da Paraíba. Após 42 dias, a área atingida…

CNC: contratação de temporários para o Natal será a maior em seis anos

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) estima que a oferta de vagas temporárias para o Natal de 2019 será a maior em seis anos. Segundo…