A Justiça identificou mais 12 vítimas da rede de pedofilia que agia em Catanduva, a 379 km de São Paulo. Pelos menos 36 crianças foram molestadas na cidade.

Por determinação da Justiça, um psicólogo e uma assistente social do Fórum visitaram famílias e conversaram com crianças do bairro Jardim Alpino, na periferia de Catanduva. É nesse bairro que mora a maioria das crianças vítimas da rede de pedofilia.

Durante os atendimentos, o psicólogo e a assistente social identificaram mais 12 menores que também teriam sido molestados. As crianças contaram que frequentavam a casa do borracheiro apontado pelas investigações como o principal aliciador. As crianças também teriam tido contato com os outros suspeitos de fazerem parte da rede de pedofilia.
 

Com a identificação dessas novas vítimas, sobe para 36 o número de crianças que teriam sido molestadas. Os laudos dos atendimentos vão ser anexados ao processo que apura as denúncias.

As famílias dos menores identificados nesta quinta-feira (5) também vão ser chamadas para prestar depoimento à Justiça e à CPI da pedofilia, que já marcou uma audiência na cidade para ouvir as vítimas e os suspeitos. Entre eles, um médico, o filho de um comerciante e um empresário.
 

 

 

G1

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Oposição prepara resposta a protesto convocado por Bolsonaro

Partidos de oposição, movimentos sociais e entidades representativas da sociedade articulam uma resposta ao presidente Jair Bolsonaro por ter compartilhado vídeos de apoio a uma manifestação contra o Congresso Nacional.…

Justiça nega recursos de Rose Di Matteo sobre testamento de Gugu

O desembargador Galdino Toledo, da 9ª Câmara de Direito Privado de São Paulo, decidiu no começo da noite de ontem (26), confirmar todas as decisões de primeira instância a respeito…