Um homem que fez um vídeo usando uma arma para apertar os botões da urna, no domingo (7), e publicou em redes sociais, disse que o ato foi uma “brincadeira sem pensar” e que se arrependeu.

Maykon Santana Aníbal, que é de Cornélio Procópio, no Norte Pioneiro do Paraná, está sendo investigado pela Polícia Federal (PF).

Aníbal disse que a ideia surgiu em um “minuto de bobeira” e reconheceu que poderia prejudicá-lo “pela vida inteira”.

Nesta quarta-feira (10), ele teve o celular e arma – que é de brinquedo – apreendidos. Aníbal também prestou depoimento na Delegacia da PF em Londrina, no norte do Paraná, e foi liberado em seguida.

Segundo a PF, ele é investigado por quebra do sigilo do voto. A pena máxima é de dois anos de prisão.

Outros dois eleitores estão sendo investigados porque postaram em redes sociais imagens com arma em cima da urna, informou a polícia. Um caso foi em São Paulo e outro em Sergipe.

“Todas as ações da internet, assim como no mundo real, elas têm consequências. A PF mantém esse monitoramento em redes sociais abertas e a gente utiliza ferramentas que possibilitam identificar as pessoas”, disse o delegado Guilherme Torres, da Diretoria de Inteligência da PF.

G1

 


Leia mais notícias sobre o mundo jurídico no Portal Juristas. Adquira seu certificado digital E-CPF ou E-CNPJ com a Juristas. Entre em contato através do WhatsApp (83) 9 93826000

 

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Projeto quer vetar BNDES de financiar projetos a governos estrangeiros

Um projeto de lei do Senado quer restringir recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para financiamento de projetos a governos estrangeiros. De acordo com o autor…

Justiça reconhece vínculo de motoboys com empresas por app

A Justiça do Trabalho de São Paulo determinou que a empresa de entregas Loggi reconheça o vínculo trabalhista dos motoboys que prestam serviço para a companhia. A decisão da 8ª…