Por pbagora.com.br

 Entre os réus, há presos que tratam de delações consideradas importantes para a força-tarefa, como o ex-presidente da OAS, José Adelmário Pinheiro, o Léo Pinheiro, e o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque.

O empenho da Operação Lava-Jato para concluir as delações premiadas da Odebrecht adiou para depois de fevereiro as negociações de acordos já em andamento. Entre os réus, há presos que tratam de delações consideradas importantes para a força-tarefa, como o ex-presidente da OAS, José Adelmário Pinheiro, o Léo Pinheiro, e o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque.

Prioridade zero para a Operação Lava-Jato, a Odebrecht passou a protagonizar a atenção dos investigadores a partir de junho deste ano, quando o ex-presidente da construtora Marcelo Odebrecht começou a negociar o acordo de delação premiada. O auge da negociação, no entanto, ocorreu entre os dias 12 e 17 deste mês.

Nesse período, o Ministério Público Federal (MPF) organizou um mutirão para a coleta de depoimentos e negociações para firmar os acordos de 77 executivos da Odebrecht.

Expectativa


Advogados esperam que as negociações só devam ser retomadas, na melhor das hipóteses, em fevereiro. “Nossa expectativa é de que, com o esforço concentrado para obter os depoimentos da delação da Odebrecht, depois do recesso, possam cuidar de outros casos que estavam parados aguardando o desenvolvimento desse aí”, disse o advogado Marcelo Leonardo, que defende o empresário Marcos Valério, condenado no mensalão, e réu da Lava-Jato.

Recentemente o portal de visibilidade nacional Congresso em Foco, trouxe novamente em destaque o nome do prefeito de Campina Grande Romero Rodrigues (PSDB) como um dos integrantes da lista dos 300 nomes mencionados nos documentos apreendidos pela Polícia Federal durante a 23ª fase da Operação Lava Jato que teriam recebido doações da Odecbrech.

Neste novo destaque nacional o portal trouxe a definição de quem é cada um dos 300 nomes mencionados nos documentos apreendidos pela Polícia Federal durante a 23ª fase da Operação Lava Jato.

 

Redação com Correio Braziliense

Notícias relacionadas

Do Psol a bolsonaristas, políticos lamentam morte de Bruno Covas

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB) morreu neste domingo (16), no Hospital Sírio-Libanês, onde estava internado desde início de maio para tratamento imunoterápico contra o câncer. A doença foi descoberta em…