A Paraíba o tempo todo  |
PUBLICIDADE

Collor pede perdão pelo confisco do saldo de cadernetas de poupança

Foto: Pedro França / Agência Senado

O ex-presidente da República e atual senador pelo MDB-AL, Fernando Collor de Mello, pediu desculpas, nesta segunda-feira (18), pelo confisco de parte do saldo de cadernetas de poupança e contas-correntes em março de 1990. O Plano Collor limitou os saques a 50 mil cruzeiros, moeda que substituiu o cruzado novo.

De acordo com o parlamentar, a decisão foi tomada na tentativa de conter a hiperinflação de 80% ao mês. “Pessoal, entendo que é chegado o momento de falar aqui, com ainda mais clareza, de um assunto delicado e importante: o bloqueio dos ativos no começo do meu governo. Quando assumi o governo, o país enfrentava imensa desorganização econômica, por causa da hiperinflação: 80% ao mês!”, disse.

O controle da inflação veio em 1994, com o Plano Real. As perdas dos poupadores com o Plano Collor até hoje é discutida no Judiciário.

Brasil 247

    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe
      PUBLICIDADE
      ×