A Paraíba o tempo todo  |

Cientistas pesquisam comportamento da onça pintada

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

Cientistas de três países participam de uma pesquisa internacional inédita na Amazônia. Eles estão mapeando a presença dos grandes felinos no Brasil e no México. Entre os animais pesquisados está a onça pintada, a maior das Américas.Os pesquisadores instalaram câmeras na floresta. Acionadas por sensores, elas flagraram a onça parda caminhando no meio da mata. As adultas medem até 1,5 metro de comprimento e pesam entre 60 e 80 quilos. A espécie ainda é encontrada em todo o continente, desde o Canadá até o Chile.

A onça pintada é o maior felino das Américas. Um macho pode atingir 1,8 metro de comprimento e pesar 150 quilos. No Brasil, as maiores concentrações estão no Pantanal e na Amazônia.

Cientistas mexicanos, espanhóis e brasileiros estão fazendo um levantamento amplo sobre os grandes felinos no México e na Amazônia. Além das câmeras, eles usam instrumentos simples, mas eficientes, para monitorar os animais no Parque Nacional de Viruá.

A chamada pelos pesquisadores de armadilha de pegadas é basicamente um banco de areia. Quando o felino passa por cima fica registrada a pegada. Foram espalhadas 60 armadilhas pelo parque.

“Com esse tipo de armadilha foi possível identificar as espécies de animais que existem na área e que normalmente andam à noite. Através das pegadas, conseguimos ver a distribuição dos animais pela área”, explicou Denise Melo, pesquisadora do INPA-AM.

Cada pegada é medida, fotografada e desenhada. Através delas é possível obter uma espécie de impressão digital de cada onça e ainda estimar o seu peso e tamanho.

Para saber mais sobre a alimentação e a saúde dos felinos, os pesquisadores levaram um especialista que trabalha no Instituto Onça Pintada de Goiás. A tarefa do cão Tupã, não é localizar as onças, mas os excrementos que elas deixam pela mata.

Dentro de um ano o Projeto Jaguar deve apresentar os primeiros resultados e iniciar o trabalho de comparação entre as espécies brasileiras e as mexicanas, identificando as características genéticas e a quantidade de felinos em cada região.

G1

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe