Por pbagora.com.br

 Em maio do ano passado, a infectologista e pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz da Bahia Isadora Siqueira começou a receber pacientes em dois hospitais de Salvador com estranhas manifestações neurológicas. Até agosto, ela atenderia 21 pessoas que, além de sintomas como movimento anormal dos olhos e descoordenação motora, tinham em comum a suspeita de terem sido alvo de alguma doença transmitida pelo Aedes aegypt. Naqueles quatro meses, a cidade registrou um surto tríplice de dengue, zika e chicungunha. A cientista desconfiou que havia uma relação entre essas ocorrências. Ela estava certa.

Amanhã, no congresso anual da Sociedade Americana de Medicina Tropical e Higiene, Isadora Siqueira vai apresentar um trabalho que sugere que as manifestações neurológicas podem estar relacionadas a uma infecção prévia. Uma pessoa que já teve dengue e que, depois, é infectada por zika ou chicungunha — ou mesmo é coinfectada — estaria mais sujeita a desenvolver problemas neurológicos, como síndrome de Guillain-Barré. Além dessa enfermidade, o grupo de pesquisadores de Salvador, coordenados pela infectologista, detectou duas doenças raríssimas, também associadas aos arbovírus: a síndrome de opsoclonus-mioclonus (OMS) e a encefalomielite disseminada aguda (Adem).

Isadora Siqueira conta que 13 dos 21 pacientes atendidos durante o surto tríplice na Bahia apresentaram sintomas de Guillain-Barré, três tiveram encefalite, dois mielite, dois OMS e um Adem. O quadro que ela considera mais interessante, e que será tema de um estudo de caso a ser publicado, é o de um paciente de opsoclonus-mioclonus, doença que provoca movimentação anormal dos olhos. Ele não só teve dengue e chicungunha, como foi infectado pelos dois vírus ao mesmo tempo.

Os exames sorológicos mostraram que apenas seis pessoas com sintomas neurológicos não apresentavam anticorpos para os três arbovírus. A cientista, porém, não descarta que elas também tenham sido infectadas. “Os métodos de detecção que existem ainda não são os melhores possíveis. O fato de os exames não terem dado positivo não quer dizer muito”, afirma.

Epidemia
Isadora destaca o caráter atípico da epidemia do ano passado. “Naquele momento (entre maio e agosto), estava tendo muitos casos das três doenças. Mas não era uma epidemia de zika, não era uma de dengue e uma de chicungunha. Era uma epidemia concomitante, de zika, dengue e chicungunha”, lembra. “Os três vírus estavam circulando ao mesmo tempo; algumas pessoas tiveram duas ou três infecções no mesmo período”, diz.


Redação com Correio Brasiliense

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

“Comportamento temerário”, diz secretário sobre descumprir medidas de isolamento

Preocupado com o aumento de casos e de óbitos por conta da covid-19 em toda a Paraíba, o secretário de Saúde do estado, Geraldo Medeiros, vem repetidas vezes informando à…

Paraíba segue na faixa vermelha com índice de 27% de mortes causadas pela Covid-19

Enquanto o Brasil completa uma semana em tendência de queda de óbitos por Covid; com média móvel é de 483 mortos por dia, a ParaÍba segue em alta. Pelo quinto…