Por pbagora.com.br

Ressocialização, capacitação profissional e sustentabilidades são as temáticas que permeiam o trabalho desenvolvido por servidores e estudantes do Curso de Química do IFPB Campus João Pessoa no Projeto Limpando Minha Cidadania. O trabalho é feito com dependentes químicos em recuperação, da ONG Missão Braços Abertos Paraíba e consiste na capacitação profissional por meio da produção de material de limpeza artesanal.

O projeto é coordenado pela professora Maria das Graças Negreiros, tem como orientadora a técnica em laboratório Janainy Gomes e conta com os estudantes de Química Alisson de Lima e Joana Marta de Almeida, como voluntários.

Dez internos da ONG participam do projeto para aprender o processo de fabricação de sabão artesanal, desinfetante e sabonete, a partir do óleo de cozinha usado. Além da ressocialização, o trabalho pode levar os participantes a desenvolverem o empreendedorismo, possibilitar a geração de renda, trabalho, consciência ambiental, inclusão social e sustentabilidade econômica.

Somado a todos esses benefícios, o projeto também vai contribuir com instituição, pois parte do material produzido poderá ser utilizado nos serviços de limpeza prestados nas unidades da ONG Missão Braços Abertos, que trabalha na recuperação de dependentes químicos. O projeto também educa para a sustentabilidade, ao fazer a reciclagem do óleo de cozinha usado, que seria descartado indevidamente na natureza, como matéria-prima para a produção de sabão artesanal e desinfetante.

Para Adriano Pedro, um dos participantes da capacitação, o aspecto mais importante do projeto é de obter conhecimento, já que não há muitas oportunidades profissionais para ex-dependentes químicos. “Graças à Missão Braços Abertos, que nos tirou da vida de dependência química, e a realização desse projeto junto com o IFPB, nós estamos chegando ao ponto de voltar ao nosso convívio com a família e com a sociedade”, frisou.

A coordenadora do projeto, professora Maria das Graças Negreiros também reforça que a capacitação traz a possibilidade efetiva de geração de renda. O estudante Alisson Xavier ressalta que a equipe utiliza metodologia ativa e usa materiais do cotidiano, como baldes e copos, tudo isso para facilitar a aprendizagem. “Nosso objetivo é trabalhar o empreendedorismo solidário, para que eles possam disseminar no projeto e vender para a comunidade”, explicou. Segundo o discente, a ideia é dar continuidade ao projeto em outras comunidades, uma delas será a Casa dos Artistas, em Bayeux.

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

PB confirma 567 novos casos de Covid-19 em 24h; mortes chegam a 2.778

A Paraíba registrou 567 novos casos de Covid-19 e 16 óbitos confirmados desde a última atualização, 06 deles ocorridos nas últimas 24h. De acordo com o boletim epidemiológico divulgado pela…