Em tempo de pandemia, o uso do álcool em gel e de álcool glicerinado tem sido imprescindível para prevenir o contágio do novo coronavírus. Garantir a higienização das mãos com esses produtos, principalmente pelos profissionais que atuam na linha de frente de combate à Covid-19, em Campina Grande, tem sido uma das missões do laboratório da Farmácia Escola da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB).

Desde que a Organização Mundial de Saúde (OMS) decretou o novo coronavírus como uma pandemia, o Laboratório, vinculado ao Departamento de Farmácia do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS), passou a intensificar a produção do álcool em gel a 70% e de sabonete líquido. Atualmente, devido a falta de alguns insumos, o laboratório teve que substituir a formulação e passou, temporariamente, a produzir o álcool glicerinado a 80% e sabonete líquido. A produção e distribuição desses produtos está em ritmo intenso.

Somente na semana passada foram distribuídos 120 litros de álcool em gel e 70 litros de sabonete líquido para o Hospital Pedro I, o Instituto Elpídio de Almeida (Isea), UPAs Alto Branco e Dinamérica, bem como para abastecer o Hospital da Criança e a FAP. Essa semana, uma remessa da produção já está pronta para ser distribuída com alguns abrigos de idosos e creches de Campina Grande.

O coordenador da Farmácia Escola e responsável pelo trabalho, professor Ricardo Moura, explica que o álcool glicerinado produz quase o mesmo efeito do álcool em gel. A principal diferença, segundo ele, é que o álcool glicerinado não hidrata tanto a pele, mas a eficácia contra o novo coronavírus é a mesma. Ele observa, ainda, que o tempo que o álcool em gel fica protegendo a pele é maior, porque ele evapora com menos velocidade. Por isso, com o glicerinado, a pessoa tem que repor mais vezes o seu uso.

Professor Ricardo destaca que, durante esses três meses de pandemia, a média semanal de produção tem sido de 50 a 60 litros de álcool glicerinado e, aproximadamente, 40 litros de sabonete líquido. Nesse período, o laboratório já produziu mais de 600 litros de álcool e mais de 400 litros de sabonete. Com equipe reduzida devido às medidas de isolamento social, o laboratório da Farmácia Escola passou a funcionar dois dias na semana, nas quartas e sextas-feiras, como forma de evitar aglomeração. A equipe conta com duas farmacêuticas e um técnico, que se revezam nos trabalhos, atendendo os protocolos de segurança e as orientações dos médicos e autoridades sanitárias que trabalham para evitar a proliferação do vírus.

Desde o início da pandemia praticamente toda a produção passou a ser destinadas para atender o Hospital da FAP, que é parceiro da UEPB, e as Unidades Básicas de Saúde da Família (UBSFs), alguns hospitais, UPAs e abrigos de idosos da cidade. Uma boa reserva também é destinada para os equipamentos da UEPB, a exemplo do CCBS, onde funciona o Núcleo de Tecnologias Estratégicas em Saúde (Nutes). O Departamento de Farmácia se responsabiliza por toda logística de identificar os setores que têm maior necessidade e agiliza a distribuição que, geralmente, acontecem nas sextas-feiras. Em alguns casos, as instituições vão buscar os produtos e, em outros, a própria Universidade se encarrega de distribuir o álcool e o sabonete para a rede de saúde.

A Chefe do Departamento de Farmácia, professora Nícia Stellita, destaca a importância do trabalho realizado pela UEPB nesses tempos de combate à pandemia. Ela ressalta que a Instituição tem cumprido o seu papel e procurado ajudar na luta contra a Covid-19. Nícia também lembra que o Laboratório sempre tem uma reserva para o CCBS, incluindo a UBS que funciona no Departamento de Enfermagem, e o Centro de Informação e Assistência Toxicológica de Campina Grande (CIATOX-CG), que funciona no Hospital de Trauma.

Assessoria

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Greve de anestesistas na FAP suspende cirurgias de pacientes com câncer em CG

Crise na saúde. Os anestesistas do Hospital da Fundação Assistencial da Paraíba (FAP), em Campina Grande, pararam as atividades por tempo indeterminado. Pelo menos 30 pacientes com câncer estão na…

Mais de 3,8 mil profissionais de saúde testaram positivo para Covid-19 na Paraíba

Desde que a Organização Mundial da Saúde (OMS) decretou o novo coronavírus como uma pandemia, mais de 3,8 mil profissionais de saúde testaram positivo para Covid-19 na Paraíba. Mesmo com…