Por pbagora.com.br

A vacina que salva, também virou a vacina da discórdia. Desde o inicio da distribuição dos imunizantes contra a Covid-19, por parte da Secretaria de Saúde do Estado, que os prefeitos de Campina Grande, Bruno Cunha Lima (PSD), e o de João Pessoa Cícero Lucena (PP), tem divergido da no que diz respeito a quantidade de imunizantes destinado para os seus respectivos municípios.
Inicialmente, o prefeito Bruno Cunha Lima afirmou em suas redes sociais que vai procurar o Ministério Público e cobrar explicações sobre as quantidades de vacinas destinadas à cidade.

Ele afirma que a capital paraibana, João Pessoa, tem sido beneficiada recebendo mais vacinas que outros municípios.

Em entrevista, o prefeito de João Pessoa, Cícero Lucena (Progressistas), rebateu as declarações, e apontou a fala de Bruno como conotação política, mas explicou o processo de vacinação na cidade.
Segundo Cícero, “em vez de se preocupar em vacinar, eles estão discutindo distribuição”.

– Eu não quero entrar nessa discussão, pois me parece algo com conotação política. Quando fala isso aponta desconhecer o processo de vacinação, o critério é faixa de idade. Se João Pessoa tem mais idosos que Campina Grande, recebe mais doses. Qualquer criança entende essa lógica. Não gostaria de entrar nessa discussão, meu papel é cuidar dos pessoenses – frisou.

Após as declarações de Cícero, Bruno procurou minimizar as declarações do colega , em relação à polêmica sobre o correto envio de vacinas, pelo Governo do Estado aos municípios.

– Tenho grande respeito ao prefeito Cícero e um respeito ainda maior ao povo de João Pessoa. E lamento que, a depender da forma como se construa a narrativa, passa-se a impressão de que estaria havendo uma surreal disputa entre as cidades – destacou Bruno, em entrevista à imprensa.

Bruno Cunha Lima disse não ter dúvidas de que, tanto o prefeito como o povo de João Pessoa, neste momento delicado de recrudescimento da crise sanitária e de esperança trazida pela vacina, têm a plena noção do mais importante, que as autoridades de Saúde ajam com equilíbrio, sensatez, responsabilidade e aplicação precisa e justa das doses imunizantes que podem salvar as vidas de todos os irmãos paraibanos.

O gestor reafirmou que a sua defesa, desde que a Secretaria Estadual de Saúde iniciou o processo de distribuição de vacinas, foi da aplicação da “justiça matemática”: o uso da proporcionalidade na gestão da logística, sem desequilíbrios desnecessários para todos os 223 municípios, com base em dados objetivos.

SL

PB Agora

Notícias relacionadas

Acidente envolvendo moto e caminhão deixa duas pessoas feridas no município de Lucena

Um acidente registrado, na manhã desta quarta-feira (21), deixou duas pessoas feridas, na rodovia BR-101, no trecho que passa pela entrada do município de Lucena, Litoral Norte da Paraíba. Segundo…

Covid-19: mais de 40 mil ainda aguardam 2º dose da vacina na Paraíba

Um levantamento do governo do Estado mostrou que 40 mil paraibanos já deveriam ter tomado a segunda dose da vacina contra a Covid-19. A informação tem como base as pessoas…