A Secretaria de Estado da Saúde (SES) confirmou, nesta quinta-feira (12), três casos positivos para sarampo na Paraíba. Os pacientes são residentes do município de João Pessoa, com idade entre 24 e 41 anos e com histórico de viagens para os estados de São Paulo e Pernambuco.

Até a 36ª Semana Epidemiológica, terminada em 7 de setembro, foram notificados 108 casos suspeitos de sarampo em 28 dos 223 municípios. Além dos três já confirmados, 51 casos foram descartados, 26 tiveram resultado de sorologia (S1) reagente e/ou indeterminada para sarampo pelo Lacen-PB e foram enviados ao Laboratório Fiocruz para retestagem e exames complementares e 28 casos seguem em investigação.

O sarampo é uma doença infecciosa, transmissível e extremamente contagiosa, podendo evoluir com complicações e óbitos. De acordo com a gerente executiva de Vigilância em Saúde, Talita Tavares, uma das estratégias adotadas pelo Ministério de Saúde (MS) é a intensificação das vacinas de rotina, conforme Calendário Nacional de Vacinação, sendo duas doses a partir de 12 meses a 29 anos de idade e uma dose para a população de 30 a 49 anos.

Até o momento, a Paraíba encontra-se com 86,91% de cobertura vacinal. Quanto à homegeneidade de cobertura, dos 223 municípios paraibanos, 123 (55,17%) apresentam coberturas vacinais adequadas, conforme recomendação do Programa Nacional de Imunização (PNI).

“Dessa forma, é necessário alertar os gestores municipais para intensificarem a busca ativa na população e imunizar o maior número de pessoas, atingindo a meta de 95% estabelecida pelo Ministério. Com os três casos confirmados, aumenta nossa responsabilidade em evitar que a doença se espalhe”, pontua.

Considerando que a vacinação é a única forma de prevenir a doença, a SES reforça que o esquema vacinal vigente é de duas doses de vacina com componente sarampo para pessoas de 12 meses até 29 anos de idade. Uma dose da vacina também está indicada para pessoas de 30 a 49 anos. É importante lembrar que a dose zero também está disponível para crianças de seis meses a 11 meses e 29 dias.

“Essa dose não será considerada válida para fins do Calendário Nacional de Vacinação, devendo ser agendada a partir dos 12 meses com a vacina tríplice viral e aos 15 meses com a vacina tetraviral ou tríplice viral mais varicela, respeitando-se o intervalo de 30 dias entre as doses. É importante lembrar que quem já tomou duas doses durante a vida não precisa mais receber a vacina. Se não há comprovação de vacinação nas faixas indicadas, há necessidade de adultos receberem a vacina. A caderneta de vacinação é um documento pessoal muito importante e deve ser guardada por toda a vida”, explica Talita.

No dia 9 de setembro, a SES aprovou em Resolução CIB incentivo financeiro para que municípios com população abaixo de 100 mil habitantes possam implementar, durante o período de campanha contra o sarampo, ações que gerem melhor resultados de cobertura vacinal. Para tanto, os gestores deverão aderir (através de um termo) ao repasse financeiro que será transferido do Fundo de Saúde Estadual para o Fundo de Saúde Municipal daqueles que realizarem adesão.

A Secretaria recomenda que todo paciente que apresentar febre e manchas vermelhas no corpo, acompanhadas de tosse e/ou coriza e/ou conjuntivite, independente da idade e da situação vacinal, procure uma unidade de saúde para a notificação e tratamento imediato.
“Todos os casos suspeitos de sarampo devem ser notificados e comunicados à SES. Para facilitar, disponibilizamos um canal gratuito para ligações por meio do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievs). De segunda a sexta-feira, das 8h às 16h30, o contato pode ser feito gratuitamente pelo 0800 281 0023”, reforça a gerente executiva.

 

Redação

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Um em cada seis homens tem câncer de próstata no Brasil, alerta Inca

Um em cada seis homens tem câncer de próstata no Brasil, doença que é a segunda principal causa de morte por câncer de pessoas do sexo masculino no país –…

Sete em cada dez brasileiros acreditam em fake news sobre vacinas

Dez afirmações falsas recorrentes sobre vacinas foram apresentadas a mais de 2 mil entrevistados nas cinco regiões do Brasil, e o resultado preocupa a Sociedade Brasileira de Imunizações: mais de…