A Central de Transplante da Paraíba tem registrado um doador por semana, em 2020. Entre os meses de janeiro e fevereiro, foram seis doadores, sendo cinco de João Pessoa e um de Campina Grande. Outra boa notícia é que, neste mesmo período, a negativa familiar, para doação de órgãos, teve redução de 30% em relação a 2019. A negativa familiar é o principal motivo para que um órgão não seja doado, em todo país.

O secretário de Estado da Saúde, Geraldo Medeiros, destaca os primeiros números da Central, em 2020. “Isso é o resultado de um trabalho realizado com muito esforço pela equipe da Central e, claro, principalmente, pela solidariedade das famílias através de doações de órgãos dos seus entes queridos. É um grande ato de solidariedade que salva outras vidas”, declarou.

Ainda, de acordo com os dados da Central, nas primeiras semanas de janeiro e fevereiro, foram retirados seis fígados e 12 rins.  Foram realizados sete transplantes, sendo três de fígado e quatro de rins. Ainda foram encaminhados para outros estados três fígados e oito rins.

Para o diretor da Central de Transplantes da Paraíba, Luiz Gustavo de Barros, a Central está se aproximando dos três estados do Nordeste que mais realizam transplantes.

Até agora, a lista de espera, do mês de fevereiro, de 2020, registra 390 pessoas que aguardam córneas; 239 rins; 11 fígados e um coração.

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Brasil ultrapassa marca de 10 mil casos de covid-19

O ministério da Saúde divulgou, na tarde de hoje (04), os números atualizados do novo coronavírus. De acordo com a pasta, o número de infectados, no momento, é de 10.278.…

Equipamentos retirados do Hospital de Taperoá não estavam em uso

Em nota encaminhada à imprensa neste fim de semana, a Secretaria de Saúde da Paraíba negou que o Estado estivesse retirando leitos que seria utilizados no Hospital de Taperoá. Segundo…