A Central de Transplante da Paraíba tem registrado um doador por semana, em 2020. Entre os meses de janeiro e fevereiro, foram seis doadores, sendo cinco de João Pessoa e um de Campina Grande. Outra boa notícia é que, neste mesmo período, a negativa familiar, para doação de órgãos, teve redução de 30% em relação a 2019. A negativa familiar é o principal motivo para que um órgão não seja doado, em todo país.

O secretário de Estado da Saúde, Geraldo Medeiros, destaca os primeiros números da Central, em 2020. “Isso é o resultado de um trabalho realizado com muito esforço pela equipe da Central e, claro, principalmente, pela solidariedade das famílias através de doações de órgãos dos seus entes queridos. É um grande ato de solidariedade que salva outras vidas”, declarou.

Ainda, de acordo com os dados da Central, nas primeiras semanas de janeiro e fevereiro, foram retirados seis fígados e 12 rins.  Foram realizados sete transplantes, sendo três de fígado e quatro de rins. Ainda foram encaminhados para outros estados três fígados e oito rins.

Para o diretor da Central de Transplantes da Paraíba, Luiz Gustavo de Barros, a Central está se aproximando dos três estados do Nordeste que mais realizam transplantes.

Até agora, a lista de espera, do mês de fevereiro, de 2020, registra 390 pessoas que aguardam córneas; 239 rins; 11 fígados e um coração.

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Prefeitura realiza ações de saúde e prevenção no carnaval de CG

Desde o início do mês de fevereiro, a Secretaria de Saúde de Campina Grande vem realizando ações do plano operacional de prevenção e promoção da saúde nos festejos carnavalescos da…

Neurocirurgião, com mais de 15 mil cirurgias, alerta ao PB Agora risco de nova “brincadeira desafio do casaco”

Depois do “desafio da rasteira”,  também chamado de “quebra crânio” que causou traumatismo craniano em uma criança de 11 anos em uma cidade do Estado de São Paulo, e uma…