Em reunião essa semana, em João Pessoa (PB), com diversos órgãos das esferas federal, estadual e municipal, o Ministério Público Federal (MPF), o Ministério Público do Trabalho (MPT) e o Ministério Público da Paraíba (MP/PB) solicitaram esclarecimentos sobre a atuação da administração pública para o combate ao coronavírus na Paraíba e cobraram das autoridades a adoção de novas medidas que restrinjam a circulação de pessoas e veículos para conter a pandemia da covid-19 em todo o estado.

Após a discussão, ficou definido que os Ministérios Públicos avaliarão, a partir dos elementos colhidos no debate, sugestões para aplicação imediata de mais restrições de contato social de maneira uniforme em todo o estado da Paraíba, em razão da alta transmissibilidade do vírus. Para tanto, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) encaminhará aos Ministérios Públicos, em 24 horas, o posicionamento do governo da Paraíba acerca da possibilidade de adoção de medidas restritivas uniformes em âmbito estadual, levando-se em consideração os decretos editados nos municípios de Campina Grande e João Pessoa, bem como do próprio estado e de outros estados, a exemplo de Pernambuco e Goiás.

Também ficou definido que a Secretaria de Estado da Saúde encaminhará aos Ministérios Públicos informes periódicos sobre a suficiência dos leitos hospitalares durante a situação excepcional de crise gerada pelo coronavírus, para avaliação de eventuais medidas a serem tomadas no âmbito ministerial.

Um dos problemas apresentados na reunião foi a dificuldade da Secretaria de Estado da Saúde para adquirir produtos médicos em razão de redução da oferta de insumos no mercado. Nesse caso, a SES vai informar ao Ministério Público da Paraíba a relação de empresas que estejam eventualmente abusando na elevação de preços e restrição de oferta de insumos, necessários na atual emergência em saúde pública, para que sejam tomadas as medidas legais cabíveis.

A Secretaria de Estado da Saúde ainda encaminhará orientações aos gestores municipais para a padronização de fluxos de atendimentos a pacientes com queixas respiratórias, normalmente associadas ao coronavírus, durante esse período excepcional.

Como medida para conter o fluxo de informações falsas que geram alarde e pânico na população, o Ministério Público Estadual divulgará alerta à população prevenindo que a difusão de informações falsas (inclusive pelas redes sociais e internet), para gerar alarde nessa conjuntura de crise em saúde, pode configurar contravenção penal (artigo 41 da Lei 3.688/1941), bem como que outras ações em descumprimento às medidas sanitárias decretadas podem configurar os crimes dos artigos 265, 268 e 269 do Código Penal, delitos que serão devidamente investigados pelas autoridades competentes.

Participaram da reunião representantes das unidades do MPF, MPT e MP/PB na capital e interior do estado; Secretaria de Estado da Saúde (SES); Secretaria Municipal de Saúde de João Pessoa; Secretaria Municipal de Saúde de Campina Grande; Conselho Regional de Medicina do Estado da Paraíba; Capitania dos Portos; Agência Nacional de Vigilância Sanitária; Polícia Federal e direção do Aeroporto Internacional Castro Pinto.

Assessoria de Comunicação

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Brasil tem mais de 4.600 pessoas infectadas com novo coronavírus

As secretarias estaduais de Saúde divulgaram, até as 6h desta terça-feira (31), 4.661 casos confirmados do novo coronavírus (Sars-Cov-2) no Brasil com 165 mortos. São Paulo registra 113 mortes e…

Ruy garante mais de R$ 14 milhões para a saúde em JP e interior

Em plena crise da pandemia do coronavírus, o deputado federal Ruy Carneiro garantiu a destinação de mais de R$ 14 milhões para a rede saúde de João Pessoa e de…