A Paraíba o tempo todo  |

Ministério Público Federal visita Lucena nesta segunda para investigar erro em vacinação de crianças

Uma equipe do Ministério Público Federal (MPF), visita nesta segunda-feira (17), a cidade de Lucena, no Litoral Norte da Paraíba, para investigar a denúncia de uma mãe que crianças foram vacinadas contra a Covid-19 com doses de adultos e vencidas. Ao menos 60 crianças receberam as doses, segundo a Secretaria de Saúde do Estado (SES-PB).

De acordo com o secretário Geraldo Medeiros, a SES encaminhou equipes hoje para realizar a listagem e traçar um perfil das das crianças. Em decorrência do fato, o secretário também afirmou que a secretaria de estado poderá assumir a vacinação em decorrência do “desequilíbrio” com relação a imunização no município.

De acordo com Geraldo, a Secretaria de Estado da Saúde (SES), está trabalhando na identificação de todas as crianças que foram vacinadas equivocadamente. Além disso, estão realizando o monitoramento por meio de contato direto ou telefone, com os pais ou responsáveis legais, já que as vacinas estavam vencidas.

Ainda conforme o secretário, “o que será apurado pelo Ministério Público Federal é se foi um erro ou uma atitude deliberada da auxiliar de enfermagem, que inclusive já foi afastada”. Geraldo disse ainda que o MPF deve ouvir, nesta semana, a técnica de enfermagem, acusada de aplicar as vacinas de forma incorreta, em crianças de 5 a 11 anos.

O MPF investiga o caso após ter recebido denúncias referente a imunização inadequada de crianças na cidade de Lucena. Na data em que as crianças foram vacinadas o país ainda não havia recebido lotes destinados à vacinação de crianças de 5 a 11 anos. Para proteção dessa faixa-etária a Pfizer desenvolveu um imunizante com dosagem adequada.

Também devem ser ouvidos o secretário municipal de saúde, a vigilância municipal, familiares das crianças e o prefeito da cidade. O propósito é, segundo Geraldo, “definir exatamente se houve dolo em relação à aplicação dessas vacinas em crianças”.

Após as denúncias, a Prefeitura de Lucena confirmou neste final de semana, que a Unidade Básica de Saúde (UBS), aplicou doses da vacina de Covid-19 para adultos em crianças, e lamentou “erro”. Em nota, a prefeitura garantiu que as crianças vacinadas estão sendo monitoradas. Na mesma nota, a prefeitura disse que “uma auxiliar que aplicou indevidamente e sem autorização vacinas” e que “está pondo a disposição das famílias acompanhamento médico e também está monitorando as crianças”.

“Esclarecemos que a decisão foi tomada individualmente pela pessoa que fez a aplicação, sendo uma falha pontual e que não partiu de determinação da administração municipal, de forma que assim que tomamos conhecimento, afastamos a responsável”, diz trecho da nota.

Na próxima terça-feira (18), o secretário deve fazer uma visita técnica à cidade. Uma equipe já será enviada nesta segunda (17).

O prefeito da cidade Léo Bandeira, disse que há uma preocupação com as crianças. “Dar toda assistência adequada e necessária”, afirmou.

Hoje, a cidade também recebe o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Léo informou que além de acompanhar o trabalho nas equipes de saúde, poderá se discutir novos investimentos no município bem como o escândalo da vacinação. O gestor também informou que a gestão municipal não registrou eventos adversos graves entre as crianças que receberam as doses e de forma irregular e que vai colaborar com as investigações. “Vamos saber o que aconteceu”.

A vacina contra Covid-19 a ser aplicada em crianças não é a mesma que vem sendo aplicada em adultos. O imunizante aprovado para crianças de 5 a 11 anos apresenta diferenças na dosagem, composição e concentração de RNA mensageiro, o principal componente. A dose infantil equivale a um terço da que é administrada em pessoas com 12 anos ou mais.

Além disso, o frasco da vacina para crianças também tem cor diferente, alternativa utilizada para ajudar os profissionais da saúde na aplicação.

PB Agora

PUBLICIDADE
    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      34
      Compartilhe