É comum as pessoas sentirem uma dor de cabeça e acharem que um analgésico vai resolver o problema. Ou terem uma dor de garganta e correrem até a farmácia para comprar um antiinflamatório. O problema é que o autodiagnóstico e a automedicação podem ter consequências graves, inclusive, levar à morte.

 

Este ano, em João Pessoa, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) atendeu 96 casos de intoxicação exógena que tem, como uma das causas, o excesso de medicamentos. O clínico geral, Thiago Senna, observou que os medicamentos mais usados são analgésicos, como dipirona e paracetamol, e um dos riscos é que os fármacos utilizados sem prescrição acabam mascarando o quadro clínico da doença, dificultando o diagnóstico médico e comprometendo o tratamento.

 

“A maioria dos pacientes que atendemos na urgência ou no consultório, que fazem automedicação, geralmente vêm para o consultório porque apresentam piora do quadro. Geralmente essa piora costuma ser importante. Essa pessoa pode ter complicação, seja por uma infecção ou qualquer outra doença”, ressaltou.

 

Segundo o médico, o problema ocorre porque, no Brasil, existe muita brecha. Nos Estados Unidos, só se compra sem receita dipirona, paracetamol e antialérgico. Os demais só com prescrição médica. Para ele, o país deveria seguir esse exemplo.

 

Redação

 


Veja como adquirir a certificação digital para pessoa física sem burocracia

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Novo boletim: SES descarta mais duas mortes por suspeita de coronavírus, na PB

Mais duas mortes que tinham sido classificadas por suspeita de coronavírus foram descartadas pela Secretaria de Estado da Saúde (SES). Os resultados foram obtidos no sábado (28), mas divulgados neste…

Coronavírus: Sobe para 136 o número de mortes no País; mais 352 casos são confirmados

O Ministério da Saúde divulgou neste domingo (29) o mais recente balanço dos casos da Covid-19, doença causada pelo coronavírus Sars-Cov-2. Os principais números são: 136 mortes 4.256 casos confirmados…