Por pbagora.com.br

Desde que a Organização Mundial de Saúde (OMS), decretou o novo coronavírus como uma pandemia, o caso de pessoas infectadas com o vírus não para de crescer na Paraíba. O Covid-19 se espalhou rapidamente no Estado. Hoje, quase três meses após o primeiro caso, mais de 95% das 233 cidades da Paraíba têm casos de coronavírus confirmados.

A Região Intermediária de João Pessoa, que abrange 63 cidades divididas entre as regiões imediatas de João Pessoa, Guarabira, Mamanguape-Rio Tinto e Itabaiana concentra a maior parte dos casos, com 14.958 ocorrências (64,15%).
Apesar da concentração nas cidades próximas da capital, os casos de Covid-19 estão espalhados por todas as 15 regiões imediatas da Paraíba. A Região Imediata de Campina Grande aparece na segunda posição, com 7.220 casos em 48 cidades, seguida da Região Imediata de Guarabira (2.679 casos) e de Patos (1.504 casos).
A Região Imediata de Princesa Isabel continua sendo a que tem menos casos de Covid-19 na Paraíba, com 52 casos em quatro cidades.

A Paraíba tem 30.128 casos confirmados de contaminação pelo novo coronavírus, segundo informações da Secretaria de Estado da Saúde (SES) divulgadas nesta terça-feira (16). O número de mortes confirmadas por Covid-19 subiu para 671 no estado desde o início da pandemia.

As autoridades médicas e sanitárias insistem que mesmo com os decretos flexibilizando a volta de algumas atividades, a medida mais eficaz no momento para evitar a contaminação do vírus, é o isolamento social. Outras medidas como e o uso obrigatório de máscaras ao sair de casa, e o lavar as mãos com sabão ou álcool em gel, também podem prevenir o Covid.

PB Agora

Notícias relacionadas

Ação quer evitar que Prefeitura de João Pessoa vacine professores antes de grupos prioritários

Uma ação do Ministério Público Federal (MPF) e o Ministério Público da Paraíba (MPPB) quer evitar que Prefeitura de João Pessoa vacine professores antes de grupos prioritários. Os dois órgãos…

“Questão contratual”, diz Queiroga sobre atraso na chegada de insumo ao Butantan

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, atribuiu o atraso na entrega do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) ao Instituto Butantan à “questão contratual”. Nesta sexta-feira (14), o Butantan anunciou a paralisação da…