A Paraíba o tempo todo  |

HULW recebe EPIs produzidos em laboratório da UFCG

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

O Hospital Universitário Lauro Wanderley, da Universidade Federal da Paraíba e vinculado à Ebserh, recebeu doação de equipamentos de proteção individual que vai ser um reforço na batalha contra a covid-19. Foram mil máscaras cirúrgicas, 500 protetores faciais (face shields), além de bisnagas de álcool em gel. A iniciativa partiu do Laboratório de Avaliação e Desenvolvimento de Biomateriais do Nordeste (CertBio), da Universidade Federal de Campina Grande, que também produziu os materiais.

O superintendente do HULW, Marcelo Tissiani, agradeceu a ação, que terá um grande impacto positivo na assistência aos pacientes diagnosticados com covid-19 assistidos no hospital. “Em nome da Ebserh, do Ministério da Educação, da Universidade Federal da Paraíba e do nosso Hospital Universitário Lauro Wanderley, nosso muito obrigado por esse grande gesto humanitário que está fazendo para toda a sociedade”, expressou, dirigindo-se ao coordenador da CertBio, Marcus Vinícius Lia Fook.

Os materiais fabricados no laboratório da UFCG têm diferenciais, a exemplo da máscara cirúrgica, fabricada a partir de um componente que pode matar o coronavírus e chega a ter uma durabilidade até três vezes maior do que as tradicionais já encontradas no mercado. A máscara é composta por três camadas, sendo a parte central revestida por um biopolímero capaz de promover uma proteção física e também biológica.

“Associado à retenção física, as máscaras cirúrgicas têm um componente capaz de reter a passagem do vírus, e são feitas com tecnologia 100% nacional e a um custo competitivo. Trata-se das tecnologias desenvolvidas pelo laboratório sendo utilizadas no enfrentamento à pandemia de covid-19”, comemora. Atualmente, o HULW dispõe de mais de 300 mil máscaras cirúrgicas.

O HULW recebeu ainda protetores faciais, conhecidos como face shields, desenvolvidos com matéria-prima de menor custo e alta eficiência. O álcool em gel, produzido com um componente chamado quitosana, se diferencia dos demais pois forma uma película protetora capaz de inativar o vírus. “A possibilidade de trazermos esses materiais simultaneamente à Operação Manaus fortalece os laços entre a UFCG e a UFPB, através do Hospital Universitário Lauro Wanderley”, avaliou Marcus Vinícius.

PB Agora

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE
    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe