Por pbagora.com.br

Crise na saúde. Os anestesistas do Hospital da Fundação Assistencial da Paraíba (FAP), em Campina Grande, pararam as atividades por tempo indeterminado. Pelo menos 30 pacientes com câncer estão na fila de espera para cirurgias.

Os médicos denunciam supostas fraudes nas autorizações de internações hospitalares, onde a auditoria teria alterado os códigos de AIH´s para que os valores pagos pelas cirurgias caiam. Os profissionais informaram que o valor a ser pago seria de R$ 1.075 ao cirurgião, porém o valor repassado seria R$ 56.
A denúncia foi encaminhada à direção da FAP, ao Ministério Público Estadual, à Ordem dos Advogados do Brasil, ao Conselho Regional de Medicina, ao Sindicatos dos Médicos e à Secretaria de Saúde do Município.

Os médicos pedem a suspensão da triagem de novos pacientes, a apuração das denúncias, a substituição da auditoria e a apuração da denúncia no setor de contas do hospital.

O secretário de Saúde de Campina Grande, Felipe Reul, disse que a prefeitura não é culpada pelo problema, uma vez que, segundo ele, a FAP deveria ter completado a entrega de documentos necessários para que o repasse pendente fosse formalizado. Apesar disso, Reul adiantou que a situação poderá ser resolvida até a próxima semana.

Redação

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Pelo quinto dia seguido, Paraíba segue entre Estados que reduziram óbitos pela Covid-19

Pelo quinto dia seguido desde que o Consórcio de Imprensa começou a divulgar os números da Covid-19 no Brasil, a Paraíba permanece na lista de Estados que estão conseguindo reduzir…

Brasil tem 94.145 mortes por coronavírus confirmadas até as 8h desta 2ª

O Brasil tem 94.145 mortes por coronavírus confirmadas até as 8h desta segunda-feira (3), segundo levantamento do consórcio de veículos de imprensa a partir de dados das secretarias estaduais de…