A Paraíba o tempo todo  |

Geraldo detalha motivos da suspensão temporária da vacina da Astrazeneca

Em entrevista a imprensa o secretário de Saúde da Paraíba Geraldo Medeiros, comentou sobre os motivos da suspensão da aplicação de doses da Astrazeneca em gestante e puérperas, que para ele é “temporária”. A indicação contrária a aplicação do imunizante aconteceu por parte do Ministério Público, que investiga a morte de uma gestante de 35 anos no Rio de Janeiro.

“Após avaliação desse caso, na nossa ótica, a campanha de vacinação a gestantes e puérperas [com doses da vacina Astrazeneca] será reiniciada. É importante ressaltar que gestantes e puérperas com fatures de comorbidades continuarão sendo vacinadas com a vacina Pfizer desde que o Butantã/Coronavac está sendo destinado para a segunda aplicação”, afirmou.

Apresentação de laudo

Ainda segundo Geraldo, as gestantes e puérperas seguem com comorvidades seguem sendo imunizadas com as vacinas da Pfizer.

“As puérperas e gestantes que têm fatores e comorbidades precisam apresentar um laudo médico do obstetra confirmando que a mesma é portadora de alguma comorbidade e assim elas serão vacinadas com a vacina da Pfizer”, acrescentou. A aplicação desse tipo de imunizante ocorre apenas em João Pessoa, Cabedelo e Campina Grande. Isso porque os municípios possuem a estrutura adequada de armazenamento da vacina – que exige temperaturas em torno de -20ºC no acondicionamento.

Redação

PUBLICIDADE
    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      11
      Compartilhe