Por pbagora.com.br

Funcionários e familiares de pacientes do Instituto de Psiquiatria da Paraíba (IPP), em João Pessoa, realizaram um protesto na manhã de ontem (26) contra o fechamento da unidade de saúde. Com cartazes e proclamando palavras de ordem, eles interditaram parte da Avenida Cruz das Armas no sentido centro/bairro por mais de uma hora. O ato contou com o apoio do Sindicato dos Empregados em Estabelecimento de Serviços de Saúde da Paraíba (Sindesep).

 

O presidente do Sindicato, Roberto Leôncio, afirmou que a entidade não pode ‘fechar os olhos’ para uma situação tão crítica como essa. “Estamos nessa luta e não vamos medir esforços para garantir que o IPP não seja fechado e com isso prejudicar dezenas de pacientes que não terão para onde ir”, destacou.

 

Durante o ato, a diretora administrativa do IPP, Francisca Tereza Neves, fez uma explanação de toda a situação do instituto e conclamou os familiares dos pacientes a se engajarem nessa luta para evitar que a unidade de saúde seja fechada, deixando vários pacientes com transtornos mentais sem qualquer tipo de assistência. “Não vamos nos calar e nem baixar a cabeça, pelo contrário, vamos unir nossas forças e junto lutarmos para reverter esta situação”, Roberto Leôncio explicou que houve uma recomendação do Ministério Público Federal (MPF) para o fechamento do Hospital Psiquiátrico.

 

De acordo com ele, o secretário de Saúde do município, Adalberto Fulgêncio, não comunicou o fechamento do hospital aos Conselhos Municipal e Estadual de Saúde e soltou uma nota circular no dia 20 de fevereiro comunicando aos Centros de Atenção Psicossocial (Caps) ao Pronto Atendimento de Saúde Mental, (Pasm) e ao Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), ao Complexo Hospitalar de Mangabeira e o Hospital Infantil do Valentina a suspensão de internação dos portadores de necessidades especiais para IPP em virtude da recomendação do MPF.

 

“Não vamos nos calar, pelo contrário, vamos lutar para garantir assistência e atendimento médico digno e com qualidade para essas pessoas”, garantiu Roberto Leôncio. O presidente do Sindicato explicou que o problema foi levado ao conhecimento do Conselho Estadual de Saúde e foi criada uma comissão para que a Secretaria de Saúde de João Pessoa fizesse o encaminhamento dos pacientes para internação, uma vez que esses portadores de necessidades especiais surtam e ficam agressivos.

 

 

Redação

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Agências do INSS da Paraíba são reabertas, mas não há previsão de retorno das perícias

As agências do Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) voltaram a atender presencialmente na Paraíba, mas sem a realização de perícia médica. As agências que foram abertas estão sendo vistoriadas…

PB confirma 777 novos casos de Covid-19 em 24h; mortos chegam a 2.670

A Paraíba registrou 777 novos casos de Covid-19 e 11 óbitos confirmados desde a última atualização, 03 deles ocorridos nas últimas 24h. De acordo com o boletim epidemiológico divulgado pela…