Por pbagora.com.br
Foto: Gilead Sciences via AP

Os Estados Unidos compraram praticamente todo o estoque global de remdesivir, um dos medicamentos que deram sinais de serem efetivos para o tratamento de Covid-19, pelos próximos três meses.

Segundo a agência Reuters, o governo Trump adquiriu mais de 500 mil doses, que representa toda da produção da fabricante, a Gilead, para julho, e 90% da capacidade de agosto e setembro.

A Gilead havia fixado o valor do antiviral em U$2.340 por paciente para os países ricos e aceitou enviar quase toda a oferta para os EUA.

Há expectativa de que a demanda seja alta, já que é um dos poucos tratamentos que mostrou ajudar na recuperação da doença.

No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária afirmou em maio que está em contato com a empresa que fabrica o remdesivir pra acompanhar a evolução dos estudos. O remdesivir não é vendido em farmácias.

Anúncio no começo da semana

A Gilead informou na segunda-feira que concordou em enviar a maior parte de sua produção para o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA (HHS, na sigla em inglês).

Foi essa agência que afirmou ter adquirido as 500 mil doses. A HHS tem sido responsável por distribuir o medicamento, e não a fabricante Gilead. A empresa afirmou que não discutiu sua estratégia de abastecimento para países ricos que não sejam os EUA.

A Gilead fez parcerias com fabricantes de genéricos na Índia e no Paquistão para produzir o medicamento para 127 países em desenvolvimento.

Europa e Coreia do Sul incorporam medicamento às diretrizes

A Coreia do Sul acrescentou o antiviral às suas diretrizes de tratamento do coronavírus em sua primeira revisão de recomendações desde o início do surto.

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) recomendou na semana passada a autorização “condicional” do uso do antiviral remdesivir em pacientes afetados pelo coronavírus.

Em comunicado, a EMA informou que a molécula será o primeiro medicamento contra a Covid-19 formalmente recomendado aos pacientes da União Europeia.

O procedimento derrogatório da EMA permite acelerar a comercialização – por um ano – de um medicamento cuja avaliação ainda não está completa. No caso do remdesivir, a agência europeia decidiu recomendar sua utilização para adultos e adolescentes a partir dos 12 anos que sofrem de pneumonia e precisam de oxigênio, ou seja, “os que estão afetados por uma forma grave” da Covid-19. A decisão final caberá à Comissão Europeia e poderá ser anunciada na próxima semana, indicou a agência.

Um estudo da EMA demonstrou que os pacientes com a Covid-19 e tratados com remdesivir se recuperam, em média, quatro dias antes que outros enfermos.
Bem Estar

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

João entrega Centro de Acolhimento para pessoas com sintomas leves de Covid-19

O governador João Azevêdo entregou, nesta segunda-feira (3), o Centro de Acolhimento e Isolamento Social (Cais), destinado ao atendimento de moradores de comunidades carentes com sintomas leves da Covid-19. A…

Pelo quinto dia seguido, Paraíba segue entre Estados que reduziram óbitos pela Covid-19

Pelo quinto dia seguido desde que o Consórcio de Imprensa começou a divulgar os números da Covid-19 no Brasil, a Paraíba permanece na lista de Estados que estão conseguindo reduzir…