Por pbagora.com.br

Para cuidar de um idoso é necessário ter atenção com o bem-estar, saúde e segurança. Além disso, é preciso cuidado com acidentes. Eles podem ocorrer a qualquer minuto e, muitas vezes, tem consequências graves. Mas, o que fazer para preveni-los? Especialistas dão dicas e revelam que de janeiro a setembro deste ano 2.449 pessoas a partir de 60 anos receberam atendimento no Hospital Estadual de Emergência e Trauma Humberto Lucena, em João Pessoa.

À medida em que envelhecemos algumas alterações acontecem, como: perdas na força muscular, no tempo de reação, equilíbrio, visão e audição. A combinação desses fatores faz com que alguns idosos fiquem mais vulneráveis a quedas e outros acidentes. Pesquisas mostram que a maior parte deles ocorre dentro de casa.

Segundo o ortopedista Carlos Rava, especialista em cirurgia de quadril, os idosos são mais propensos a fraturas relacionadas a osteoporose com traumas de baixa energia ocasionadas no ambiente familiar. As regiões de fraturas mais comuns são no punho, na coluna lombar, fêmur, quadril e no ombro. Em circunstâncias antes e pós-pandemia, a melhor prevenção seria a prática de exercícios físicos. “Praticar pilates e musculação é importante para o tratamento da osteoporose e manutenção da massa muscular, pois esses exercícios trabalham o fortalecimento da musculatura”, comentou.

Carlos Rava alerta também que o uso de medicações para dormir e analgésicos potentes também podem aumentar a incidência de fraturas por diminuir a atenção do idoso no período da noite ou ao acordar pela manhã. O uso de medicação para tratamento da osteoporose também deve ser monitorado pelo especialista.
Veja dicas sobre como prevenir os acidentes
Para a prevenção é necessário analisar a casa e identificar os pontos de maior perigo. Muitas vezes, os idosos resistem as mudanças. Confira algumas alterações que podem ser feitas em casa e algumas mudanças nos hábitos que diminuem o risco de acidentes.

Colocar corrimão nas escadas e fitas antiderrapantes nos degraus
Essas medidas aumentam a segurança para subir ou descer as escadas, pois o corrimão dá apoio. A fita antiderrapante evita que os sapatos escorreguem nos degraus. Além disso, ela ajuda a marcar o degrau, deixando ele mais visível.

Deixar objetos de uso constante na altura dos ombros ou cintura
Isso evita que o idoso precise abaixar ou esticar com frequência, pois ele pode perder o equilíbrio nesses momentos. Outra dica importante é não guardar nada fora do alcance das mãos, que exija o uso de escada ou bancos para pegar.

Retirar tapetes da casa
Os tapetes dão um ar de aconchego, mas eles não dão firmeza ao andar. Podem ser um local de tropeço ou escorregar. Pisos lisos ou encerados também são passiveis de escorregões. Uma opção é usar tapete antiderrapante.

Evitar usar forno sem acendedor automático e/ou embaixo do fogão
Esse tipo de forno é mais difícil para ascender e pode causar queimaduras ou escapamento de gás. Além disso, o forno baixo dificulta colocar e pegar o alimento, pode queimar as pernas e braços.

Fazer atividade física
Todo idoso deve fazer uma atividade física, principalmente exercícios de força. Os exercícios de força evitam a perda de massa magra, aumentam a resistência e ajudam na reabsorção de cálcio. Além disso, a prática de atividade física auxilia a melhora do equilíbrio, tempo de reação, circulação e vários outros benefícios.

Agora que você já sabe quais são os riscos dos acidentes domésticos com idosos. Lembra do famoso provérbio “a prevenção é o melhor remédio”? Ele também se aplica para acidentes. Tomando os devidos cuidados, os idosos têm mais segurança e mais qualidade de vida em casa.

Redação

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

UFPB coordenará pesquisa em domicílio para testagem de covid-19

O Observatório de Síndromes Respiratórias da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) coordenará pesquisa em domicílio para testagem de covid-19 em 9,6 mil paraibanos. O estudo por amostragem terá início em novembro e…

Anticorpos contra covid-19 duram pelo menos sete meses, aponta estudo

Uma das questões que mais tem suscitado interesse e investigação por parte da comunidade científica, desde o início da pandemia, é perceber se os organismos de doentes com covid-19 são…