Por pbagora.com.br

O CRM-PB interditou eticamente os médicos que trabalham no Complexo Hospitalar de Mangabeira Governador Tarcísio Burity – Ortotrauma, o Trauminha. Na manhã desta sexta-feira (27), o diretor de fiscalização do CRM-PB, João Alberto Pessoa, esteve novamente no hospital e informou oficialmente à direção do hospital sobre a decisão tomada durante a reunião plenária, nesta quarta-feira (26), com os membros do Conselho, após a avaliação conjunta do relatório da vistoria realizada na segunda-feira (24).  A interdição tem início a zero hora deste sábado (29) e, com isso, não poderão ser admitidos novos pacientes. No entanto, os pacientes internados continuam recebendo atendimento médico até que tenham alta hospitalar.

Nos últimos quatro anos, o CRM-PB já realizou dez fiscalizações no Trauminha e constatou que poucas melhorias foram realizadas e grande parte dos problemas se agravaram. Na última fiscalização realizada no dia 24 de agosto, a equipe do CRM-PB observou 16 inconformidades graves. O hospital apresenta inúmeros problemas que comprometem o ato médico, como a falta de médicos na escala, de medicamentos básicos e de material cirúrgico. No consultório médico falta maca para examinar o paciente e, nas enfermarias, pacientes com cirurgia infectada ficam no mesmo local que os pacientes com cirurgia limpa. Há também relatos de cirurgias que demoram mais de sete dias para serem realizadas.

Além disso, a unidade apresenta problemas sérios em sua estrutura física, como precárias condições de higiene dos quartos e banheiros, com a presença constante de baratas, infiltrações, mofo, buracos no piso e nas paredes, banheiros sem funcionar, cadeiras de rodas e de banho quebradas, falta de privacidade, além da falta de lençóis, travesseiros e colchões. Por falta de ventilação adequada, os acompanhantes levam ventiladores de casa.

“O CRM-PB reconhece a importância da unidade, principalmente por ser um hospital voltado para o atendimento de urgência. No entanto, entendemos que o hospital traz grande risco para o atendimento à população e ao exercício profissional da Medicina por apresentar tantas inconformidades. Em reunião colegiada no CRM-PB fomos favoráveis à interdição ética, com a suspensão de novas internações até que os principais problemas sejam resolvidos”, afirmou o presidente do CRM-PB, Roberto Magliano de Morais.

Ele ressaltou que o relatório elaborado pelo Departamento de Fiscalização do CRM-PB foi encaminhado à direção técnica do Complexo Hospital de Mangabeira, à Secretaria de Saúde de João Pessoa, à Promotoria de Justiça, à Vigilância Sanitária e ao Conselho Regional de Enfermagem.

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Campanha de Multivacinação e de Vacinação contra a Poliomielite começa dia 5

A Campanha de Multivacinação e de Vacinação contra a Poliomielite começa na próxima segunda-feira, dia 5 de outubro. A finalidade é reduzir o risco de reintrodução do poliovírus selvagem no…

Bebê de um ano é diagnosticada com leucemia e pais criam Vakinha para cobrir despesas do transplante

Diane Macedo da Silva Rocha, bebê de apenas um ano, foi diagnosticada com Leucemia Mielóide Aguda em julho deste ano. Após passar por ciclos de quimioterapia, Diane precisará de um…