Por pbagora.com.br

Os anestesiologistas que atendem nos Hospitais Napoleão Laureano e no São Vicente de Paulo irão suspender suas atividades, a partir desta segunda-feira (27), tendo em vista o fim do repasse por parte da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) dos recursos para o pagamento dos procedimentos realizados pelos médicos nas duas instituições. De acordo com o presidente da Cooperativa dos Anestesiologistas da Paraíba (Coopanest/PB), Ronivaldo Barros, com a decisão, cerca de 250 cirurgias eletivas do SUS deixarão de ser realizadas por mês.

Ele explicou que há cerca de um ano meio foi firmado um pacto entre as Secretarias Municipal e Estadual e os dois hospitais para garantir a continuidade das cirurgias, já que os valores pagos pela tabela do SUS estão defasados. Ronivaldo disse que a SMS argumenta que o fim do repasse foi motivado pelo não cumprimento do pacto pela Secretaria Estadual de Saúde. “O não cumprimento do que foi pactuado vai prejudicar a realização das cirurgias eletivas oncológicas, vasculares e neurológicas”, disse o presidente da Coopanest/PB.

Ronivaldo Barros ainda acrescentou que os dois hospitais apresentam uma grande demanda de procedimentos e que seria necessário aumentar o número de profissionais para atender às necessidades da população. “Mas o que está acontecendo é exatamente o contrário. Com o fim do repasse dos recursos, não há como continuar prestando o serviço nos hospitais”, destacou.

O presidente da Coopanest/PB esclareceu que as cirurgias de urgência e emergência continuarão sendo realizadas. “As eletivas serão suspensas e não há outros hospitais que atendam a essa demanda específica. Só no Napoleão Laureano, são feitos cerca de 150 procedimentos cirúrgicos por mês. Já no São Vicente de Paulo, há uma média de 100.”, ressaltou o médico.

De acordo com Ronivaldo Barros, os hospitais não têm como arcar com as despesas por isso não há com as instituições garantirem o pagamento dos profissionais.

Assessoria de Imprensa

Deixe seu Comentário