O vereador Aristávora Santos (PTB) usou a tribuna da Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP, na manhã desta quarta-feira (18), para fazer um balanço
dos principais projetos aprovados na Legislatura anterior – como o Plano Diretor da Cidade e o Código Tributário – e para antecipar matérias
importantes que devem chegar à Casa este ano, como a Lei de Uso e Parcelamento do Solo e a Lei de Zoneamento Ambiental.

 O vereador disse que, após o Carnaval, a Câmara deverá se pronunciar sobre os oito vetos (sendo sete totais e um parcial) e sobre uma medida provisória
de autoria do Poder Executivo municipal. Entre os projetos vetados pelo Executivo estão o que propunha a criação de uma divisão de arte circense na
Funjope (de autoria do ex-vereador Fubá, do PSB) e o que previa a criação de conselhos comunitários de segurança (de autoria do vereador Geraldo Amorim,
do PDT). O veto parcial que será votado no plenário diz respeito ao projeto que determina a colocação de obras de arte nos prédios da administração
municipal.

 Fórum Permanente

 Aristávora Santos também aproveitou a oportunidade para defender a criação de um fórum permanente que reúna representantes das Câmaras de Vereadores
dos municípios da Grande João Pessoa. O objetivo é discutir estratégias de desenvolvimento para a região metropolitana e políticas públicas para
resolver problemas enfrentados na área do transporte público e da saúde.
“Não concebo o desenvolvimento de João Pessoa sem o desenvolvimento da Grande João Pessoa. Quero criar um fórum permanente, com os vereadores dos
municípios da Grande João Pessoa para que eles se reúnam uma vez por mês para discutir problemas comuns”, defendeu.

 Segundo Aristávora Santos, o Fórum Permanente será importante para criar soluções e enfrentar problemas existentes nas áreas de saúde pública,
transporte coletivo e turismo regional. “É inadmissível que um município como Pedras de Fogo não tenha uma linha direta para João Pessoa. Em Bayeux,
as empresas estão sucateadas. Isso fortalece o transporte clandestino.

Também queremos discutir a política de turismo, porque João Pessoa é a porta de entrada, mas temos outros potenciais turísticos nos municípios vizinhos.
É importante discutir também uma política de saúde porque João Pessoa assume toda a demanda de saúde da região. Na (maternidade) Cândida Vargas, 54% dos partos são feitos em pacientes de outros municípios”, exemplificou.

A proposta do petebista foi apoiada por outros vereadores. “Esse é um tema que a Câmara Municipal de João Pessoa não pode escapar. A criação desse
Fórum Permanente é algo que deve ser destaque em todos os debates. Os problemas e soluções devem ser pensados coletivamente”, disse Bruno Farias
(PPS).
 

Assessoria

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Tibério Limeira sobre crise no PSB: “Sou da ala dos espíritos desarmados”

Ao ser indagado sobre a crise existente entre a ala do governador da Paraíba, João Azevêdo (PSB) e do ex-governador Ricardo Coutinho (PSB), o vereador pessoense Tibério Limeira – que…

MPF ajuíza ação de improbidade contra prefeito do Sertão

O Ministério Público Federal (MPF) em Patos (PB) ajuizou ação de improbidade contra Aldo Lustosa, prefeito de Imaculada, município localizado no Sertão paraibano; mais oito pessoas (Dineudes Possidônio, Madson Lustosa,…