Por pbagora.com.br

 O pré-candidato a Governador da Paraíba nas Eleições 2014, Veneziano Vital do Rêgo
(PMDB) lamentou nesta terça-feira (03), em Campina Grande, o debate “pobre,
mesquinho e rasteiro” que estão propondo para a Paraíba. Ele defendeu que
os pré-candidatos adotem um debate propositivo, que possa colocar no centro
da discussão temas que realmente interessem aos paraibanos, não questões
menores e depreciativas.

 

“Eu lamento, e nem precisa ser na condição de pré-candidato a governador,
mas na condição de cidadão paraibano, este discurso mesquinho e que nada
contribui. Eu peço aos paraibanos que observem o que está sendo feito hoje
na Paraíba, a você, jovem, que está se preparando para dar o primeiro voto:
a Paraíba não pode continuar diante de um debate pobre, mesquinho e
rasteiro, que mostra o quanto estamos relegados, um debate que não
constrói, que não nos conduz para um projeto responsável, que busque o
desenvolvimento da Paraíba”, afirmou Veneziano.

 

Ele disse lamentar profundamente “essas cenas deploráveis, pobres, pequenas
e de baixo calão, que só mostram as fragilidades e as fraquezas de quem
teve a oportunidade de fazer e não fez”. Segundo ele, “está na hora de o
paraibano observar outras opções, não apenas a do PMDB, mas outras, sob o
risco de a Paraíba se apobrecer mais ainda”.

 

Veneziano disse que este debate que está sendo proposto é “depreciativo” e
que não vai entrar numa discussão como essa. “A Paraíba precisa ser
comandada com responsabilidade, não por aqueles que não tem nada a dizer. A
Paraíba não quer saber quem foi dos dois que demitiu mais, porque ambos
demitiram; quem foi que mais maltratou os servidores, porque ambos
maltrataram; um forçou os servidores a fazer empréstimo e demitiu em massa;
outro mandou cancelar os planos de cargos que seu antecessor pagava”.

 

Segundo o pré-candidato peemedebista, a Paraíba quer saber quem vai
resolver, e de que forma, a questão da segurança pública. “Não quem usou
pistola ou deixou de usar”. Ele lembrou que os dois tiveram a oportunidade
de fazer e não fizeram. “Um atacou de frente a autonomia financeira da
nossa Universidade Estadual da Paraíba – UEPB e o outro ficou calado
durante três anos e três meses enquanto a autonomia era atacada”.

 

Veneziano finalizou lembrando que a Paraíba não quer o debate mesquinho. “A
Paraíba não quer o chororô, a vitimização, a cara feia, a intransigência,
mas um projeto que apresente soluções para a Saúde, com o fim das
terceirizações e os investimentos em melhorias das estruturas e no
atendimento; para a Educação, com as escolas técnicas que foram prometidas
e não implantadas, com o fim da política de fechamento das escolas e a
valorização do magistério; para a infraestrutura, com o nosso Porto de
Águas Profundas, a duplicação da BR 230 de Campina Grande a Cajazeiras, o
Metrô de Superfície para Campina Grande; com o fim do empréstimo para que o
servidor receba o seu décimo terceiro salário; com os Planos de Cargos e
Carreira das categorias”.

 

*Assessoria

Notícias relacionadas

Opinião: Lava Jato só serviu para pôr a extrema-direita no Poder e quebrar o Brasil

Para melhor avaliar o estrago que foi a Lava Jato, basta que se observe o que era o Brasil antes e depois de instituída esta Operação. Tanto do ponto de…

Senado define presidente, vice e relator da CPI da Covid-19; veja quem são

Um acordo entre parlamentares que vão compor a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia no Senado, responsável por investigar as ações do governo federal e o uso de verbas…