O Plenário da Câmara dos Deputados rejeitou o afastamento do deputado Wilson Santiago (PTB-PB) determinado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello. Assim, o parlamentar pode voltar a exercer seu mandato, pois perde validade a medida cautelar do Supremo que o afastou em dezembro do ano passado. Dentre os onde deputados paraibanos que votaram apenas dois se manifestaram pelo afastamento de Wilson Santiago.

Sendo assim foram sete que disseram sim a favor do parecer do relator, deputado Marcelo Ramos (PL-AM), que foi contrário ao afastamento e favorável ao colega Wilson Santiago. Foram eles: Aguinaldo Ribeiro (Progressistas), Damião Feliciano (PDT), Efraim Filho (DEM), Frei Anastácio (PT), Gervásio Maia (PSB), Hugo Motta (Republicanos) e Wellington Roberto (PL).

Já dois deputados votaram “NÃO”, ou seja, pelo afastamento do colega, que foram Pedro Cunha Lima e Ruy Carneiro, ambos do PSDB. A deputada Edna Henrique (PSDB) se absteve da votação. Julian Lemos (PSL) esteve ausente.

Foram 233 votos a favor do parecer do relator, deputado Marcelo Ramos (PL-AM), que foi contrário ao afastamento. Outros 170 deputados votaram por manter o afastamento de Wilson Santiago. Para manter a decisão do ministro do STF, seriam necessários 257 votos a favor do afastamento (contra o parecer do relator).

Em seu voto, Ramos destacou que foi julgado apenas o afastamento de Santiago e, em razão dos fatos apurados e da denúncia oferecida pelo Ministério Público, recomendou a abertura de processo contra Santiago no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara. Em seguida, a sessão do Plenário foi encerrada.

Vejam os votos dos paraibanos:

Paraíba (PB)

Aguinaldo Ribeiro           PP          Sim

Damião Feliciano             PDT        Sim

Edna Henrique PSDB     Abstenção

Efraim Filho        DEM      Sim

Frei Anastacio Ribeiro   PT Sim

Gervásio Maia  PSB Sim

Hugo Motta       Republicanos    Sim

Pedro Cunha Lima          PSDB     Não

Ruy Carneiro     PSDB     Não

Wellington Roberto       PL                           im

Total Paraíba: 10

 

Redação

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Análise: polícia não pode fazer greve, mas pode passar fome?! Os direitos humanos estão acima das leis

Por lei, policiais não podem fazer greve. Na prática, os poderes públicos se apegam a esta imposição legal para maltratar uma das categorias mais importantes para a sociedade, aquela que…

Efraim Filho não prevê debandada de lideranças do DEM para o Cidadania

“Eu acredito que o Democratas já deu essa largada na pole position, se antecipou aos demais partidos e se mostrou mais organizado rumo às eleições municipais, de onde pretendemos sair…