Por pbagora.com.br

Cientista político e professor doutor da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Lúcio Flávio aponta razões pelas quais a unificação das eleições, em discussão no Congresso, é prejudicial à administração pública, aos mandatários, aos partidos políticos, aos candidatos e aos eleitores.
De acordo com Lúcio Flávio, a cada dois anos, milhões de brasileiros têm que comparecer às urnas para escolher seus dirigentes. No próximo ano, mais de 5 mil municípios brasileiros escolherão os seus prefeitos e vereadores.
“Acredito que o processo de sucessão municipal deve ser um processo autônomo, separado das eleições estadual e federal. Os problemas municipais são muito específicos. A saúde primária, a educação fundamental, a limpeza urbana, a mobilidade, a iluminação pública, entre outros problemas, são responsabilidade do poder executivo municipal. Não podemos esquecer que as pessoas vivem, trabalham, estudam e se divertem na cidade”, disse Lúcio.
Segundo o cientista político, se as eleições fossem unificadas, de vereador a presidente, passando por deputados, governadores e senadores, a pauta nacional, a disputa presidencial, jogaria a discussão sobre os problemas municipais para um segundo ou terceiro plano. “Sendo assim, a decisão do presidente da Câmara Federal Rodrigo Maia, em suspender a discussão sobre a unificação das eleições, foi acertada”, disse.

Redação

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

“Um lapso devido ao cansaço”, justifica Walber após declaração infeliz sobre defesa da corrupção

Pré-candidato à prefeitura de João Pessoa pelo Patriotas, o deputado estadual Walber Virgolino, que também é delegado da Polícia Civil, classificou como um ato falho ocasionado pelo cansaço uma frase…

Presidente do PT na PB silencia mesmo após ‘pé de guerra’ com executiva nacional

Mesmo diante de todo o burburinho que a intervenção da Executiva Nacional do PT na candidatura de Anísio Maia (PT) tem causado dentro da sigla em João Pessoa e na…