Por pbagora.com.br

O Tribunal Superior Eleitoral, por unanimidade, não conheceu da Consulta feita pelo deputado federal Wilson Santiago (PMDB-PB) sobre os efeitos para o agente político-partidário da criação de uma nova legenda. O ministro Marcelo Ribeiro, em sua exposição como relator, tratar-se mais de questões “interna corporis” das siglas partidárias e não essencialmente de assunto de ordem eleitoral.

Em linhas gerais, a Consulta nº 1688, de autoria de Wilson Santiago – dada entrada no TSE  no dia 11 de março deste ano – foi no sentido de saber se alguém, filiado a um partido político, ao decidir criar uma nova legenda, não teria problemas de ser reintegrado à sigla original por algum problema de invalidação por não alcançar o coeficiente eleitoral necessário.

Marcelo Ribeiro disse, objetivamente, não tomar conhecimento da consulta porque, embora sugerisse levemente abordagem de assunto ligado à fidelidade partidária, não se constituía efetivamente em questão de ordem eleitoral.

Nos termos do relator, acompanharam o não conhecimento da consulta os ministros Arnaldo Versiani, Eros Grau, Ricardo Lewandowski, Felix Fischer e Fernando Gonçalves.

Especula-se que a iniciativa de Wilson Santiago foi em atendimento a um pedido do colega Manoel Júnior (PSB), já sondando a Justiça Eleitoral para possíveis alternativas a uma saída sua do partido para a criação de uma legenda de suporte ao PMDB do governador José Maranhão, e sem a tutela do prefeito da Capital e presidente estadual da sua sigla, Ricardo Coutinho.

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Veneziano lamenta falecimento do jornalista Fernando Soares e destaca qualidades do profissional

O Senador Veneziano Vital do Rêgo (MDB-PB) lamentou o falecimento do jornalista, radialista e ex-presidente da Associação Campinense de Imprensa – ACI, Fernando Soares, aos 53 anos, ocorrido na tarde…

Opinião: Karla Pimentel e parceiros “salvam” o Conde da podridão deixada pela gestão anterior

É da tragédia ‘Hamlet’ a origem da expressão: ‘Há algo de podre no reino da Dinamarca’. A frase, cunhada por Shakespeare, se referia a traições e homicídios que ocorriam na…