Por pbagora.com.br

TRE retoma julgamento de Cássio nesta quinta-feira; dois juízes já declararam voto pela inelegibilidade do ex-governador tucano por 8 anos

A Corte Eleitoral da Paraíba retoma nesta quinta-feira (29) julgamento do possesso contra o ex-governador Cássio Cunha Lima (PSDB), por abuso de poder político e econômico. A sessão foi paralisada na última segunda após pedido de vistas da Juíza Niliane Meira.

No momento do interrompimento, o tucano já contava com dois votos contrários à sua absolvição. Caso chegue a ser condenado, Cássio poderá ficar inelegível por oito anos, dando "adeus" aos seus planos de chegar ao Senado Federal.

Cunha Lima vem sendo acusado por gastos excessivos com publicidade durante o período em que ainda estava à frente do Governo do Estado.

Entenda de onde o julgamento parou

Logo que iniciada a sessão, a defesa de Cássio já sofria sua primeira derrota. Dois recursos foram negados sumariamente: o primeiro pedia a extinção do processo, ao alegar “perda do objeto”, pois o ex-governador já teve seu mandato cassado pela justiça. O segundo alegava que o então vice-governador José Lacerda Neto (DEM) devia ser incluído como litisconsorte no processo.

A Corte Eleitoral também acatou o entendimento do procurador do Ministério Público Eleitoral, Werton Magalhães, e do relator do processo, juiz Carlos Neves, e negaram, por unanimidade, a inclusão da certidão do Tribunal de Contas do Estado (TCE) que aprova as contas do ex-governador Cássio Cunha Lima, em 2006, ao processo. O documento foi rejeitado ao ser percebido que o documento era assinado pelo diretor de Auditoria e Fiscalização do TCE, Francisco Lins Barreto Filho e pelo diretor Executivo Geral, Severino Claudino Neto, mas não por Nominando Diniz, presidente da instituição.

Somado a essa discrepância, o relator do processo, o juiz Carlos Neves, afirmou ainda que o documento deveria ter sido juntado aos autos anteriormente. "Esse documento já deveria ter sido incluído pelo maior interessado na ação e não apenas hoje pelo PSDB", salientou.

Iniciada a votação, Neves declarou voto a favor da inelegibilidade do ex-governador Cássio Cunha Lima (PSDB) e ainda pela aplicação da multa no valor de R$ 100 mil Ufirs.

O juiz João Ricardo Coelho, segundo a votar, acompanhou o voto do relator e se posicionou pela inelegibilidade do tucano e aplicação de multa.
Em seguida, a juíza Niliane Meira preferiu não declarar voto, pedindo vistas do processo.
 

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Na PB: Efraim Morais e Hervázio Bezerra engrossam lista de políticos com Covid-19

Subiu para quatro o número de políticos paraibanos que testaram positivo para a Covid-19. Depois dos senadores Zé Maranhão (MDB) e Ney Suassuna, do Republicanos, o ex-senador Efraim Morais do…

Sala 10 Comunicação se consolida como referência no segmento de Marketing Político na PB

As eleições municipais desse ano na Paraíba fizeram não apenas políticos vitoriosos, mas também equipes que se empenharam e se dedicaram com trabalho, tecnologia e muita criatividade nos bastidores em…