A Primeira Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB) condenou,
por unanimidade, o ex-prefeito do Município de Santana de Mangueira,
Espedito Aldeci Mangueira Diniz, por ato de improbidade administrativa. O
órgão fracionário reformou a decisão do juízo de 1º grau na ação civil
pública interposta pelo Ministério Público estadual. O recurso
(015.2009.000455-5/001) foi julgado nessa terça-feira (22), tendo a
relatoria do desembargador Leandro dos Santos.

Com a decisão, o ex-gestor teve seus direitos políticos suspenso pelo
período de três anos, sendo aplicada multa no valor correspondente a cinco
vezes o valor da remuneração mensal percebida por ele à época dos fatos,
bem como ficando proibido de contratar com o poder público ou receber
benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente,
ainda que seja por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio
majoritário, também pelo período de três anos.

Conforme relatório, o MP questionou a contratação, pelo ex-prefeito de
Santana de Mangueira, de profissional para serviços contábeis sob o manto
da inexigibilidade de licitação.

Nas suas contrarrazões, Espedito Aldeci justificou que a contratação se deu
após a realização de processo administrativo em que se apurou a
inexigibilidade de licitação, levando em consideração o preço de mercado
inerente à prestação do serviço técnico especializado em contabilidade, bem
como que o Tribunal de Contas do Estado (TCE-PB) tem autorizado a
contratação de serviços contábeis sem a necessidade de processo licitatório.

No voto, o desembargador Leandro dos Santos ressaltou que o ex-gestor
celebrou contrato para prestação de serviços contábeis, com prazo de
vigência de um ano, no valor de R$ 22.728,00. No entanto, ele assevera com
o MP, o objetivo da contratação era a aquisição de profissional da área
contábil para o desempenho de atividades rotineiras da Prefeitura de
Santana de Mangueira, sem quaisquer referências à necessidade de realização
de trabalhos que exigissem pessoa com habilitação específica para
determinada área de atuação em matéria contábil de grande complexidade.

“Havendo contratação sem licitação, desprovida dos requisitos legais que
justificassem a sua inexigibilidade, revela-se a ofensa ao princípio da
legalidade que deve reger toda a Administração Pública, ato de improbidade
administrativa que se exaure na atuação omissiva do gestor público em não
observar a exigência legal de que, ressalvados os casos especificados na
legislação, as obras, os serviços, as compras e as alienações serão
contratadas mediante processo de licitação pública que assegure igualdade
de condições a todos os concorrentes (art. 37, XXI da CF), apresentando-se,
portanto, como ação de natureza formal, a qual se integraliza a despeito de
qualquer resultado futuro.”, assegurou.

O entendimento foi acompanhado pelo desembargador Marcos Cavalcanti de
Albuquerque e pelo juiz convocado Ricardo Vital de Almeida.

 

Ascom

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

“O que eu pretendo é ser expulso” dispara Moacir sobre imbróglio no PSL

Não é de hoje que o deputado estadual Moacir Rodrigues (PSL) vem vivendo um imbróglio dentro da sigla na Paraíba. A celeuma entre ele e o presidente do partido na…

Galdino revela que não tolera mais ausências injustificadas dos deputados na ALPB

Promessa feita durante a sua postulação para presidir a Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), o deputado Adriano Galdino (PSB), voltou ontem (15), a afirmar que não vai tolerar mais ausências…