Uma divergência entre as Justiças Eleitoral e Comum tem deixado os pessoenses com a representação parlamentar incompleta na Câmara Municipal. Há seis meses, e sem perspectiva de definição, o Poder Legislativo vem atuando com 26 dos 27 vereadores eleitos em 2016, desde que o então vereador Eduardo Carneiro (PRTB) renunciou ao mandato para assumir uma cadeira na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB).

Com 1.269 votos, Carlão do Cristo passou a ser o primeiro suplente da coligação Trabalho de Verdade II, que foi formada pelo PRTB/PV/PROS, disse que seu sentimento diante de todos esse impasse que o impossibilita assumir o mandato de vereador na CMJP é de injustiça, porque está tendo o seu direito usurpado. Segundo ele, o entendimento da Justiça Comum em relação ao seu mandato é totalmente equivocado.

“Eu tenho um diploma eleitoral. Eu fui diplomado como suplente. A legislação eleitoral é clara e correta, quando determina que quem deve assumir o suplente da coligação, que no caso sou eu, o mais votado”, comentou.

Já o suplente Marcilio Ferreira, que obteve 2.159 votos, classifica que demora para sua posse está prejudicando a população pessoense e aos trabalhos legislativos na CMJP. “Depois da saída de Eduardo a Câmara trabalha de forma deficitária, com sua composição incompleta, o que é ruim para cidade e para sociedade”, comentou, afirmado expectativa em assumir a vaga.

 

Redação

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

“O que eu tenho a fazer é lamentar” diz Léo sobre falta de quórum na CMJP

O vereador Léo Bezerra (PSB), que presidiu a sessão desta quarta-feira (16) na Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP) lamentou a ausência de parlamentares na Casa, que fez com que…

Cientista político paraibano elenca motivos da baixa quantidade de mulheres eleitas na política

As regras da Justiça Eleitoral que buscam resguardar cotas mínimas de candidaturas femininas e de recursos financeiros a elas ainda não são garantia de que mais mulheres serão, efetivamente, eleitas…