Na noite desta quinta-feira (5), o Superior Tribunal de Justiça (STJ), através de decisão da ministra Laurita Vaz, negou habeas corpus em defesa do ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) solicitando a retirada das medidas cautelares e, principalmente, o uso da tornozeleira eletrônica. A medidas foram impostas pelo desembargador Ricardo Vital, relator das ações envolvendo a Operação Calvário no Tribunal de Justiça da Paraíba.

Para a defesa do ex-governador, ” houve excesso na imposição das cautelares pelo relator do processo. Do jeito que está é quase uma prisão, sem que tenha havido fato novo a justificar esse excesso. Foi totalmente desproporcional e sem a devida fundamentação”, explicou o advogado Eduardo Cavalcanti.

Na decisão do desembargador Ricardo Vital declarou que o monitoramento, através do uso da tornozeleira, é uma medida de fiscalização em relação ao cumprimento das demais cautelares impostas

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Vereador cobra revisão participativa no Plano Diretor de Campina Grande

O vereador Olimpio Oliveira conseguiu na última terça-feira (07), na Câmara Municipal de Campina Grande (CMCG), a aprovação do requerimento n° 1.170/2020 que requer a formalização do processo de reforma…

Live de Ruy Carneiro debate atração de investimentos para João Pessoa

Iniciando sua série de lives no Instagram, o pré-candidato à prefeitura de João Pessoa Ruy Carneiro conversou nesta quarta-feira (8) com o consultor empresarial português Rui Coelho sobre o projeto…