O Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve a decisão do Poder Judiciário paraibano que determinou, a pedido do Ministério Público da Paraíba, o afastamento do prefeito de Cuité de Mamanguape, Djair Magno Dantas, por 180 dias. A decisão foi do presidente do STJ, ministro João Otávio de Noronha, que indeferiu pedido do chefe do executivo de Cuité de Mamanguape.

O afastamento foi uma das medidas pedidas na ação civil pública ajuizada pela promotora de Justiça do Patrimônio Público de Mamanguape, Carmem Perazzo, contra o prefeito e contra os secretários municipais Leandro Silva da Costa, Valdir Magno Dantas, José Carlos Dantas Filho e Antony Charles da Silva; contra o irmão do prefeito, Diocélio Magno Dantas, e o vereador, Ezequias José de Souza. Eles foram acusados de praticar irregularidades que importaram em enriquecimento ilícito e na violação aos princípios da administração pública.

Segundo a promotora, eles participaram de esquema de compartilhamento de informações de supostos prestadores de serviços, a fim de desviar dinheiro público, com a emissão de empenhos para pagamento de eventuais serviços por pessoas físicas aos órgãos públicos, com dados falsos, ou informações que não correspondem com a verdade, além de “rachadinhas” em pagamento de alguns prestadores e, por fim, com pagamento desses empenhos a pessoas estranhas a relação contratual.

O afastamento foi determinado pelo juízo de primeiro grau no dia 3 de dezembro de 2019, por entender que a permanência do prefeito no cargo representava riscos à instrução processual, sendo a decisão mantida pelo Tribunal de Justiça da Paraíba.

Na sua decisão, o ministro João Noronha destacou que não ficou comprovado em que medida o afastamento do prefeito comprometia a continuidade dos serviços públicos municipais, não se evidenciando a alegada lesão à ordem pública. Além disso, em relação à suposta lesão à economia e à saúde públicas, o ministro ressaltou que não há nos autos elementos que levem à conclusão de que a manutenção da decisão resultaria no colapso ou no desequilíbrio das contas públicas de Cuité de Mamanguape ou do sistema de saúde do município.

O presidente do STJ lembrou ainda que a ordem de afastamento cautelar do prefeito decorreu da apuração de ocorrência de coação a testemunha na fase investigatória, bem como do entendimento de que a permanência dele e dos demais envolvidos em seus respectivos cargos poderia embaraçar a coleta de provas e obstruir a apuração dos fatos. Para o ministro, o prazo de 180 dias não é excessivo.

 

MPPB

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Veneziano destina emenda de R$ 2 milhões para ações de combate ao coronavírus na PB

O senador Veneziano Vital do Rêgo (PSB-PB) destinou emenda parlamentar no valor de R$ 2 milhões para serem investidos nas ações de combate, prevenção e tratamento do Covid19, doença causada…

Efraim diz que rompimento do DEM com Bolsonaro não foi discutido pelo partido

Essa semana, após as últimas declarações do presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido, sobre o coronavírus, principalmente o polêmico pronunciamento em que ele desconsidera a gravidade do avanço do…