Esse “puxa-incói” inerente à invasão de camelôs nas ruas de João Pessoa não vai ser resolvido nunca. E não é por culpa dos camelôs, mas das autoridades.

Quem não se lembra que parte do problema já havia sido solucionado na gestão de Cícero Lucena, quando foi criado o Terceirão justamente para acomodar os comerciantes ambulantes? Quem também não se lembra que o problema havia sido erradicado na gestão de Ricardo Coutinho, quando as nossas ruas calçadas e logradouros foram desocupados e o que havia de camelô na cidade removido para um lugar adequado?

A pergunta mais óbvia é a seguinte: Por que as autoridades permitiram que um problema que já estava resolvido voltasse à tona? Ou seja, por que deixaram que os camelôs voltassem às calçadas, às ruas, às praças, etc. etc.?

A ação da Prefeitura contra os camelôs foi motivada pelo Ministério Público? Por que, então, o Ministério Público esperou que o problema chegasse a tais proporções, sobretudo, com a área central da cidade totalmente invadida pelo comércio ambulante, para puder provocar a Prefeitura? E por que, também, a Prefeitura permitiu que um problema que já estava resolvido à base de muita polêmica e porrada de bombados voltasse com tanta força?

Diga-se de passagem, a gestão do senhor Luciano Cartaxo, que encontrou esse problema resolvido, a cidade desocupada, foi reiterada vezes alertada pela imprensa de que os camelôs estavam voltando a ocupar os espaços não permitidos.

Rivotril

Segundo dados extraoficiais de hipocondríacos, o consumo do Rivotril nas farmácias de João Pessoa, Campina Grande e Sousa triplicou, sobretudo, depois que a ex-secretária de Administração do Estado, Livânia Farias, fez uma delação premiada ou, como queiram, colaboração premiada no inquérito sobre a Operação Calvário.

Silêncio

Na esfera governamental a ordem é, ninguém fala nem responde nada sobre a devastadora Operação Calvário.

Na última vez que foi perguntado sobre tal assunto, o polido governador João Azevedo sapecou um coice verbal na “taba” do queixo de um atrevido repórter que lhe abordou sobre tão incômodo assunto.

Por fora

Já o ex-governador Ricardo Coutinho tem alterado todas as suas rotas a fim de não dar de cara com os incômodos jornalistas ávidos por saber se teme ou não ser atingido pela Operação Calvário. Ricardo foi visto e filmado desembarcando no Aeroporto pelos fundos de um hangar e tomando, às pressas, uma camionete que já o aguardava quase na porta de saída.

Não se enganem

Quem conhece Ricardo Coutinho sabe da sua disposição e coragem para enfrentar as adversidades. Sabem, também, que o hoje ilustre jaguaribense transitou entre o nada e o tudo, crescendo nas polêmicas.

A menos que essa Operação Calvário comprovadamente atinja em cheio o ex-governador Ricardo Coutinho e o torne inelegível para 2020, dificilmente esta oposição que foi toda desmoralizada nas eleições passadas, encontrarão um nome capaz de sequer assustar Ricardo Coutinho que, não se iludam, já está em pré-campanha para a Prefeitura de João Pessoa: Vide instagram @realcoutinho e @ricardocoutinhotrabalho.

 

Wellington Farias

 


Certificado digital mais barato para advogados e contadores. Clique e saiba como adquirir

 

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Vereadora acusa colega de desconhecer regimento da CMJP

Ao se unir a entidades LGBT e feministas a vereadora pessoense Sandra Marrocos (PSB), acusou a colega de parlamento vereadora Eliza Virgínia (PP), de desconhecer o regimento da casa ao…

Audiência proposta por paraibano alerta para privatização de estatais

A Comissão de Legislação Participativa, colegiado presidido pelo petista Leonardo Monteiro (MG), anunciou que fará uma audiência pública para debater as consequências da privatização de 17 empresas estatais, que foi…