A Paraíba o tempo todo  |

“SERVIÇAL”: ao assumir Casa Civil, Palocci nega ser conselheiro político

O novo ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci, negou neste domingo, ao receber o cargo do ex-ministro Carlos Eduardo Esteves Lima, que irá se dedicar à função de uma espécie de conselheiro político da presidente Dilma Rousseff. Ex-chefe da Fazenda, que deixou o governo de Luiz Inácio Lula da Silva após o escândalo de quebra de sigilo bancário do caseiro Francenildo Costa, Palocci disse que não será sua atribuição discutir temas políticos centrais e informou que será mais um do "time" de Dilma.

"Esperem da Casa Civil todo o apoio, espaço da diálogo franco sobre grandes desafios, tenham como um de vocês, um da equipe, um do time", declarou, informando ainda que adotará o estilo de "economia de palavras" ao informar sobre os programas de governo a serem executados por sua pasta.

Palocci também garantiu que não interferirá na atuação de outras pastas. "Nenhum servidor da Casa Civil, inclusive este que vos fala, estará autorizado a se pronunciar sobre assuntos específicos das outras pastas. Respeitaremos os ministros e ministras em suas respectivas funções", afirmou.

O ex-ministro Carlos Eduardo Esteves Lima, que ocupou interinamente a Casa Civil após a queda de Erenice Guerra, não citou em seu discurso de despedida a antecessora, exonerada do governo após suspeitas de tráfico de influência e cobrança de propina a empresários. Erenice sempre negou as acusações.

 

Terra

PUBLICIDADE
    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe