Os integrantes do Conselho de Ética do Senado elegeram nesta quarta-feira (15) o senador Paulo Duque (PMDB-RJ) para presidir o grupo que terá a missão de analisar três representações por quebra de decoro contra o presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP). Nenhum senador foi indicado para concorrer ao cargo de vice-presidente, ficando o posto em aberto.

 

Com a instalação da Comissão de Ética, o líder do DEM, José Agripino Maia, anunciou o fim da obstrução à pauta do Senado.

Duque foi eleito depois que o senador Antônio Carlos Valadares (PSB-SE) decidiu deixar o colegiado. Valadares havia sido indicado pelo PT, mas acabou tendo o nome vetado pelo grupo ligado ao líder do PMDB, Renan Calheiros (AL), que preferia Duque. Renan também é alvo de uma representação por quebra de decoro.

 

Em um rápido discurso, Duque pregou o respeito a todos os senadores. Emocionado, não conteve as lágrimas e concluiu o pronunciamento com um “muito obrigado”.

Provocado por Demóstenes a estipular uma data para começar a análise das representações contra Sarney e Renan, Duque disse que a sua primeira ação como presidente será convocar uma nova reunião para eleger o vice-presidente. “Queria que os senhores me dessem um pequeno prazo para analisar as representações”, pediu Duque.

O peemedebista convocou a nova reunião do conselho para as 15h do dia 5 de agosto, depois do recesso parlamentar. Duque perguntou aos integrantes do conselho se eles gostariam de realizar sessões semanais ou mensais, no que foi advertido por Heráclito Fortes: “Reunir esse grupo sem assunto é um perigo.”

 

Questionado se o conselho teria independência para julgar as denúncias contra Sarney, Duque respondeu: “Não existe independência total na política.”

O peemedebista negou, porém, que tenha sido escolhido presidente do conselho por pertencer ao grupo de Renan e Sarney. “Nunca fui chamado de integrante da tropa de choque do Sarney”, disse.

Duque também revelou desconhecer todas as denúncias apresentadas até o momento contra Sarney. “Não tenho conhecimento (do teor das representações). Não sei o que é”, afirmou.

 

Denúncias

O presidente do Senado foi denunciado por quebra de decoro em virtude de sua suposta responsabilidade pela edição de atos secretos e também pela suspeita de ter utilizado o cargo para favorecer uma fundação que leva seu nome. Já Renan também foi leva ao conselho por conta dos atos secretos.

Suplente do conselho, o líder do PSDB, Arthur Virgílio (AM), afirmou que eventuais manobras da base para livrar o presidente da Casa das investigações não serão aceitas. “Estamos preparados, burocraticamente e politicamente, para recorrer das decisões adotadas pelo conselho que não sejam de acordo com o desejo da oposição”, avisou.

 

A senadora Marisa Serrano (PSDB-MS) defendeu a necessidade da instalação do colegiado. “O conselho de ética analisa a conduta de um de seus pares. Ninguém gosta de estar aqui. Mas todos sabemos que a não instalação seria um atestado de incompetência. Não poderíamos falar do presidente Sarney”, disse Marisa.

Fim da obstrução

O líder do DEM, José Agripino Maia, disse que a oposição não vai mais obstruir a pauta do Senado e revelou, antes mesmo da eleição, que os três integrantes do DEM votariam em branco. “Decidimos apoiar o senador Valadares. Como ele declinou do posto, vamos votar em branco, para permanecer independentes das escolhas que serão adotadas nesse conselho”, justificou Agripino. O PSDB seguiu a iniciativa do DEM e também votou em branco.

 

Dos 15 senadores que participaram da eleição, dez votaram em Duque e quatro votaram em branco e um senador se absteve.

Nesta terça-feira (14), uma manobra articulada pela base governista esvaziou a reunião de instalação do Conselho de Ética e acabou inviabilizando a votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).

Se a representação for acolhida pelo conselho, Sarney poderá ser afastado do comando da Casa. Isto porque, em fevereiro de 2008, o Senado aprovou projeto de resolução que afasta dos cargos de comando da Casa os parlamentares investigados por quebra de decoro parlamentar.

G1

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Base instável: Bruno cutuca racha no PSB e diz que RC fazia de aliados reféns

Pré-candidato à prefeitura de Campina Grande, o ex-deputado estadual Bruno Cunha Lima (sem partido), que chegou a atuar como líder da oposição ao Governo Ricardo Coutinho na Assembleia Legislativa da…

Análise: a hora e a vez do G11. Grupo que manterá governabilidade de João

Era 21 de março de 1998, noite de festa, de comemoração do aniversário do então senador peemedebista Ronaldo Cunha Lima. Presentes no Clube Campestre, em Campina Grande, cerca de dois…