Por pbagora.com.br

 A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado (CCJ) aprovou requerimento de audiência pública para aprofundar o debate em torno do projeto de lei (PLS 2/2015 e do PLS 330/2015) de autoria do senador Raimundo Lira (PMDB-PB), que prevê a abertura da aviação brasileira a capital estrangeiro.

Raimundo Lira participou da sessão da CCJ a fim de acompanhar o início da apreciação do seu projeto. O PLS de Lira chegou a entrar na pauta, mas um pedido do senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA), autor de uma propositura parecida, adiou a votação para a próxima sessão. As duas matérias devem tramitar conjuntamente no Senado.

Os senadores também aprovaram um requerimento de audiência pública sobre o assunto, reunindo representantes da Secretaria de Aviação Civil (SAC); Agência Nacional de Aviação Civil (Anac); Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade); dos aeronautas e das empresas aéreas.

Raimundo Lira reafirmou que o seu projeto visa permitir a participação de empresas estrangeiras na aviação civil brasileira. Para ele, a medida vai aumentar o número de empresas aéreas no Brasil, o que intensificará a concorrência no setor, diminuindo o preço de taxas e tarifas. “A melhor forma de estimular a entrada de novos concorrentes em nosso mercado é permitir que o capital estrangeiro possa investir em nosso país, situação que geraria emprego, renda e menores tarifas para os brasileiros”, afirmou Lira.

Alguns senadores concordaram com o peemedebista, a exemplo de Jader Barbalho (PMDB-PA), relator do PLS 330/2015. Jader, aliás, já deu parecer favorável à propositura do senador paraibano. “O que ocorre hoje é o monopólio de duas empresas que se apresentam como nacionais, uma delas já entregue a uma empresa do Chile, e o passageiro é quem sofre com isso”, protestou Jader.

Sabatina – Em sessão que contou com a participação de Raimundo Lira, a CCJ aprovou o nome do juiz federal Valter Shuenquener de Araújo, para o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). O processo segue para votação, em regime de urgência, no Plenário do Senado. O uso de meios alternativos de solução de conflitos no Poder Judiciário, como a mediação e a conciliação, marcou a sabatina do indicado para a CNPM.

 

Ao relatar sua experiência profissional na assessoria do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux, Shuenquener citou mediações bem-sucedidas na Corte, que puseram fim, por exemplo, a ações que se arrastavam há mais de 30 anos. Entre as comentadas, é possível destacar a mediação que encerrou a maior greve do funcionalismo estadual e municipal do Rio de Janeiro, além da paralisação da guarda municipal do Rio às vésperas da Copa de 2014.

 

PB Agora com Ascom

 

Notícias relacionadas

Prefeita de Conde diz não ter parentes na gestão e rebate denúncia de nepotismo

A prefeita de Conde, Karla Pimentel, rebateu, neste domingo (16), denúncia feita ao Ministério Público Estadual (MPPB) de suposta prática de nepotismo e contratação de servidores fantasmas na Prefeitura da…

Frente formada por PSB, PV, PCdoB, PT e PSOL não faz oposição a João Azevêdo

A frente formada pelos partidos PSB, PV, PCdoB, PT e PSOL, que se uniram contra o facismo e a favor da população para as eleições de 2022 não tem o…