Por pbagora.com.br

Na audiência que está concedendo ao arcebispo da Paraíba, Dom Aldo Pagotto, o governador José Maranhão (PMDB) deixou evidenciar uma frase que contextualiza bem o espírito do encontro, a portas fechadas. “O meu governo não vai olhar para o retrovisor. O que passou, passou”.

Publicamente ligado ao ex-governador Cássio Cunha Lima (PSDB), Dom Aldo Pagotto vinha demonstrando certo constrangimento pelo encontro, mas assegurou que as questões de ordem institucional passaram a ter mais prioridade neste novo momento político-administrativo da Paraíba.

Após 17 de novembro do ano passado, quando o TSE cassou Cássio Cunha Lima, Dom Aldo fez sistemáticas declarações de solidariedade ao ex-governador, criticou os ministros da corte pela decisão de empossar o perdedor das urnas e até chegou a propor uma mobilização pública contra a cassação.

O governador fez questão de frisar a Dom Aldo, também, segundo testemunharam os repórteres fotográficos e cinematográficos, que não estaria preocupado tanto com “apoios da classe política”, mas sim com a união de segmentos da sociedade para que sua gestão possa dar certo e ter resultados importantes.

Até às 11h00 desta quinta-feira, a reunião no Palácio da Redenção entre o governador e o arcebispo não tinha sido encerrada.

PB Agora
 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Twitter diz que post de Bolsonaro sobre ‘tratamento precoce’ da Covid viola regras

Rede social colocou alerta sobre ‘publicação de informações enganosas’. Este tipo de medida restringe a circulação do tuíte, mas ele continua disponível na rede social. O Twitter colocou por volta…

Julian Lemos crítica Bolsonaro: “O homem que está no poder, não é o que elegemos”

O deputado federal Julian Lemos, do PSL, usou seu perfil numa rede social para para fazer um desabafo a respeito do presidente da República, Jair Bolsonaro. Na postagem, Julian critica…