O hoje vice-prefeito de João Pessoa, Manoel Júnior (Solidariedade) renunciou ao mandato de deputado federal, ainda em 2016, com o sonho de se tornar prefeito de João Pessoa, em 2018, diante da iminente possibilidade de o prefeito Luciano Cartaxo (PV) deixar o mandato para disputar o cargo de governador da Paraíba.

As eleições estaduais chegaram e Júnior teve as pretensões frustradas. Cartaxo permaneceu no mandato. Insatisfeito, o vice disputou uma vaga na Câmara Federal, mas acabou abarcando uma derrota. Os dois se distanciaram politicamente, mas, em janeiro desse ano voltaram a aparecer juntos em solenidades.

Manoel Júnior começou a fazer o caminho de volta para tentar retomar o apoio de Cartaxo para ser o candidato do prefeito à sucessão municipal. Apesar dos acenos, o gestor, até agora não deu esperanças a Manoel Júnior. A última vez que os dois trataram sobre sucessão 2020, conforme informação do próprio Manoel Júnior, foi em fevereiro desse ano.

Agora, em julho, Manoel Júnior, ainda sem a certeza do apoio de Cartaxo para o próximo pleito, começa por si só a mexer os pauzinhos das articulações partidárias.

Nesta sexta-feira (26) o vice-prefeito deu o primeiro passo – apareceu na convenção estadual do MDB e deixou em aberto uma possível aliança entre o partido que ele preside, o Solidariedade, e o partido que Zé Maranhão preside, o MDB. Este último  por muito tempo também foi morada do vice-prefeito, inclusive à época em que se elegeu vice-prefeito da Capital. Lá, Júnior não escondeu a intenção de querer marchar junto ao MDB no próximo pleito.

“Vim aqui, não só prestar a solidariedade de nosso partido, mas também dizer a Maranhão que temos embates futuros, (e) em 2020 e 2022 queremos (Solidariedade) estar juntos também com o MDB”, disse.

Sobre a concretização dessa aproximação Júnior deu uma resposta retórica, acenando que a aliança é possível. “Quem sabe? Pensamos e agimos, dentro de um campo da política paraibana, na mesma sintonia”, ponderou.

Júnior, todavia, não disse se pensa em disputar a prefeitura de Pedras de Fogo, cidade que o consolidou como político, ou se mira mesmo na Capital. Ele ressalta que ‘nesse momento não pensa na disputa’. Seu foco, por hora, é a construção do Solidariedade e seu “compromisso” com a gestão na capital paraibana.

Em tempo: se não conseguir se eleger em 2020, será a primeira vez, em mais de uma década, que Júnior ficará sem um mandato para chamar de seu.

 

PB Agora

Total
6
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Hervázio diz que “jamais vai se colocar como um conspirador” no PSB

Ex líder do governo na Assembleia Legislativa no governo de Ricardo Coutinho (PSB), o deputado licenciado e secretário de Esportes, Juventude e Lazer da Paraíba, Hervázio Bezerra (PSB), disse que…

Jackson critica Daniella por contratação de prima por R$ 23 mil no Senado

Usando suas redes sociais o presidente estadual do Partido dos Trabalhadores na Paraíba, Jackson Macedo, comentou recente matéria da coluna do jornalista Lauro Jardim, no portal O Globo, que trouxe…