Por pbagora.com.br

O prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues, participou, na manhã desta sexta-feira, 24, do encontro promovido pela Federação das Associações de Municípios da Paraíba (Famup), no auditório da FIEP. Na condição de anfitrião, Romero saudou os mais de cem colegas que participaram do evento em defesa da PEC 56/2019, que propõe a unificação das eleições no País. De acordo com o projeto, haverá a prorrogação dos mandatos dos atuais prefeitos e vereadores. Com isso, eleições municipais só deverão ocorrer em 2022, como também os pleitos para escolha de presidente da República, governadores, senadores, deputados federais e estaduais. 

O encontro na Fiep teve a direção do presidente da Famup, George Coelho. Também prestigiaram o evento, entre muitas outras autoridades, os senadores Veneziano Vital do Rêgo e Daniela Ribeiro; deputados estaduais Ricardo Barbosa e Camila Toscano; presidente da Câmara Municipal de Campina Grande, Ivonete Ludgério; vereador Alexandre do Sindicato, representando os demais vereadores presentes; Graciete Dantas (vice-presidente da Famup); Ana Cláudia Vital do Rego (representando o governador João Azevedo); presidente da Assembleia Legislativa, Adriano Galdino e secretários municipais, a exemplo de Bruno Cunha Lima (Chefia de Gabinete).

Alerta de Romero

Em sua saudação ao público que superlotou todas as dependências da Fiep, o prefeito Romero Rodrigues destacou que o tema do encontro é oportuno por conta da própria crise econômica que hoje assola todo o país, levando os gestores a refletir e apoiar a ideia de adiamento e de unificação das eleições. Assim, caso não aconteçam eleições em 2020, o país poderá economizar cerca de R$ 1 bilhão. “Estes recursos públicos, que serão destinados às campanhas políticas, poderão, caso a PEC seja aprovada, ser canalizados para setores como saúde e educação”, explicou. 

Na visão.do prefeito campinense, o Brasil não tem como “aguentar eleições a cada dois anos", como acontece atualmente. Por isso, diz defender a opinião da maioria dos prefeitos e vereadores brasileiros que hoje almeja a prorrogação dos mandatos. Destacou, ainda, que a luta pela aprovação da PEC não é fácil, mas “é uma luta possível”, alertando, contudo, para a necessidade deste processo ter um ritmo célere, pois é preciso que ocorra a sua aprovação até o início de mês de outubro devido às próprias vedações impostas pela legislação eleitoral. 

Por sua vez, o presidente da Famup, George Coelho, disse que a mobilização dos prefeitos é uma ação de grande importância não apenas para os gestores da Paraíba, mas de todo o Brasil. Para ele, hoje existe a necessidade de se acabar de uma vez por todas com “essa gangorra de eleições a cada dois anos.

 

Redação

 


Garanta um desconto especial na sua certificação digital no Juristas Certificados Digitais

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

OUÇA: RC defende união de forças contra possibilidade de gestão bolsonarista em JP

O ex-governador da Paraíba Ricardo Coutinho (PSB) afirmou que está disposto a fazer tudo o que for possível para impedir que admiradores – ou seguidores – do presidente Jair Bolsonaro…

Oposicionista analisa novas adesões à base de João na ALPB: “Perda muito grande”

‘Um baque’, essa pode ser a definição mais adequada as recentes adesões dos deputados estaduais Raniery Paulino (MDB) e Eduardo Carneiro (PRTB) a base de sustentação do governador João Azevêdo…