Foi o pensador político Rosseau que disse: na juventude deve-se acumular o saber; na velhice, fazer uso dele. É exatamente no uso da inteligência e da experiência que o governador José Maranhão está arrastando o prefeito Ricardo Coutinho para uma das jogadas políticas mais arriscadas de sua vida.

O prefeito dá sinais de que vai explodir a aliança com o PMDB de Maranhão, por não mais suportar o obstáculo no caminho do projeto 2010. E vai fazer isso no pior momento e do pior jeito: cobrando, à força, fidelidade de um monte de maranhista que está no PSB e, o mais grave, arriscando romper uma aliança sem ter fechado um Plano B com outra força política.

Erra duas vezes e se prepara para uma aventura kamikaze que pode lhe mostrar o chão frio de uma candidatura isolada.

Ao abrir vaga para Nadja Palitot – uma verdadeira cobra no Jardin do Éden do prefeito socialista, – retornar à Assembléia, Maranhão testa Ricardo. Que, segundo declarações de seus soldados (Rosas, Urquiza e Cia), parece ter engolido a corda.

Ora, Ricardo tinha que aprender com Maranhão. O velho fazendeiro de Araruna engoliu calado todo tipo de sapo que o prefeito mandou pra ele. Calou-se diante da convocação de Aracilba Rocha para a prefeitura; calou-se ante à indiferença de Ricardo à cassação de Cássio, calou-se ao ser ignorado na indicação do vice em 2008.

Calou-se porque a paciência é típica dos velhos. Calou-se porque, na época, era apenas um senador com um mandato que expiraria em 2010. Agora, não. Maranhão, seja pelos motivos mais questionáveis, é governador da Paraíba. É Ricardo que deveria mostrar paciência. Ambos, como já disse, já estão rompidos em razão de terem o futuro cruzado. Mas nada de oficializar isso agora.

Ora, chutar o pau da barraca agora em razão da posse de Nadja Palitot na Assembléia é de uma inabilidade infantil. Primeiro, porque o grupo de Ricardo deu um valor que Nadja nem sabia que tinha. E, depois, porque a hora de romper é em junho de 2010, às portas da eleição, quando Ricardo já estivesse pavimentado todo uma base de aliados e se beneficiado com a parceria entre prefeitura e governo do Estado.

Tudo menos agora. O mais inábil de tudo isso é cobrar fidelidade ao projeto de Ricardo 2010, em confronto ao sereno Maranhão, que só tem batido em Cássio e no travesseiro na hora de dormir. Ricardo está cobrando fidelidade a ele dentro de um partido minado por maranhistas.

Já tratei disso num artigo quando declarei que o prefeito não tinha nem o PSB por completo. Mas vamos listar: dentro do PSB, são maranhistas Manoel Júnior, Léo Abreu, Carlos Batinga, Guilherme Almeida, Edmilson Soares, Expedito Pereira, Nadja Palitot, entre outros.

É quase o partido inteiro. Se eles forem expulsos ou levarem a bronca para direção nacional do PSB, vai causar confusão na cabeça de Eduardo Campos.
Ricardo não deveria oficializar o rompimento com Maranhão antes de ter fechado um plano B. Com Cássio, por exemplo. Corre o risco de ficar só, ao menos no primeiro turno das eleições, contando apenas com partidos como PTB, PP e PDT, no máximo. Porque o PT vai ser tratado de uma forma tal no governo Maranhão que dificilmente vai se encantar pelos olhos claros e o sorriso (que sorriso?!) de Ricardo Coutinho.

Soma-se a isso o fato de que, oficialmente rompido, Ricardo Coutinho vai pela primeira vez na vida enfrentar o aço das facas de um dos maiores conglomerados de comunicação do Estado: o Sistema Correio da Paraíba. Imaginem: vai ser merenda escolar e lixo de manhã, de tarde e de noite.

É hora, portanto, de cautela dentro da base do Mago, em homenagem, inclusive, à quarta-feira de Cinzas. Quem sabe um conselheiro mais velho para dar as cartas daqui pra frente. Afinal, como diria Bacon, os desatinos da juventude são conspirações contra a velhice; pagam-se caro, ao anoitecer, as loucuras da manhã.

 

 

 

 

 

Soltas

Cá pra nós: ainda acredito que Ricardo Coutinho irá colocar panos quentes em toda essa história.

Além de Ricardo Barbosa e Pedro Medeiros, o ex-governador Cássio e o senador Cícero trabalham para assegurar a posse de outro suplente na Assembléia. Trata-se de Aníbal Marcolino (PDT), que assumiria no lugar de Jacó Maciel.

Dentro do PSDB de João Pessoa, teve liderança que não gostou do senador Cícero ter ofertado a presidência do partido para o ex-governador Cássio. Acham que o ex-governador pode levar a legenda para caminhos menos tucanos em 2010.

Há quem diga, inclusive, que Cássio está doido para alguém ser contrário à proposta. A fim de que ele não fique preso ao ninho…

O jornalista Dércio Alcântra comparou em seu blog a viagem de Dilma Roussef a Porto de Galinhas a de Ricardo Coutinho a Cajazeiras. Uma foi de helicópetro e e o outro de avião. Para o jornalista, ambos usaram a máquina numa candidatura antecipada.

Piada que correu no Carnaval  após a possibilidade de Nadja Palitot assumir uma cadeira na Assembléia: só falta Maranhão chamar Professor Paiva e Francisco Barreto para comporem o secretariado.

O jornalista Walter Santos, uma das maiores referências de mídia do Nordeste, anda de olho em projeto de televisão.

A vereador Raíssa Lacerda (DEM) ficou revoltada com a declaração do líder da oposição, Hervázio Bezerra, de que a bancada oposicionista contaria apenas com dois vereadores. Ela desafiou a Hervázio e a qualquer outro vereador a provar que ela não ficará na oposição. Estamos dois pra ver.

O suplente de vereador Raoni (PDT) pode estrear na Câmara de João Pessoa mais cedo do que imagina. O vereador Marcus Vinícius (PSDB) estuda licença médica para realizar pequena cirurgia.

 

 

 

 

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Cícero Lucena troca PSDB de Cássio por PP de Aguinaldo Ribeiro

Uma das novidades no último dia para filiação partidária, neste sábado (04), foi a filiação do ex-senador Cícero Lucena aos quadros do Progressistas na Paraíba. O caboclinho, como é conhecido,…

Galdino não descarta prorrogar suspensão das atividades na ALPB pela 2ª vez: “Vamos acompanhar a decisão do Governo”

O presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), Adriano Galdino, nesse fim de semana, não descartou a possibilidade de ampliar o prazo de suspensão das atividades presenciais. A Assembleia também…