Mais que um nome, João Pessoa merece um modelo de gestão. A análise é do ex-governador da Paraíba e atual presidente da Fundação João Mangabeira, Ricardo Coutinho (PSB), ao driblar as especulações sobre voltar a disputar a majoritária nas eleições de 2020, na Capital do Estado.

Em entrevista nesta terça-feira (23), Coutinho nem disse que sim nem disse que não disputaria, mas agradeceu ao pessoense pela lembrança de seu nome, constatada em pesquisa divulgada pelo Instituto Opinião essa semana e que aponta o socialista como a principal liderança da Capital do Estado.

“O que eu acho que João Pessoa quer e precisa é de um modelo, de uma forma de governar, porque João Pessoa é muito maior que o próprio Estado, até porque a Capital tem um orçamento com 2,8 bilhões. Na época que governei era apenas R$ 600 milhões, e todo mundo percebeu como foi possível fazer escolas, creches, PSFs, tudo com recursos próprios. Já os recursos do Estado são menos de 10 bilhões, maior menos de quatro vezes para resolver problemas mais complexos e maiores em todo o território e para relações institucionais que são muito mais fortes do que uma prefeitura. Então o que me parece claro é que, acima de um nome, e eu me sinto muito honrado em ter meu nome lembrado, o que João Pessoa quer e merece é um modelo de gestão”, ressaltou.

Nos bastidores Ricardo é apontado como um nome imbatível no pleito da Capital, tanto é que nem do lado da situação nem no lado da oposição, nenhum nome surge até que o socialista defina seu destino político. Ricardo também é cotado para voltar a disputar o Governo do Estado em 2022, ou até mesmo a presidência ou a vice presidência da República no próximo pleito estadual.

 

PB Agora

Total
15
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Opinião: RC vê conotação política em escritório arrombado. Acha que há mandantes

Em resposta a questionamentos da coluna, o presidente da Fundação João Mangabeira e ex-governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB), disse, na madrugada deste domingo (18), não ter dúvidas de que…

Análise: PSB-PB terá comissão provisória nacional para “remediar” conflito interno

“A diferença entre o remédio e o veneno é a dose”. Assim concluiu, certa vez, Paracels, médico e físico do século XVI. E a afirmação percorreu séculos de forma incólume,…