Por pbagora.com.br

Apesar do relator da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ), deputado Delegado Marcelo Freitas (PSL-MG), ter recomendado na última terça-feira (9) a aprovação da reforma da Previdência (PEC 6/19), a temática parece não encontrar respaldo junto a classe política. Programada para retornar os debates na CCJ nesta segunda-feira, 15, o titular paraibano da comissão o deputado federal Wilson Santiago (PTB) disse que o texto como está não tem como ser aprovado, pois prejudica a aposentadoria do trabalhador rural.

 

“Não tem como o trabalhador rural, de fato, cumprir aquilo que está sendo imposto pela PEC. Ou seja, se ela for aprovada como está, poucos trabalhadores rurais terão acesso à aposentadoria. O BPC também ficará totalmente inviável, já que a média de vida do cidadão na maioria das regiões é de 69 anos. Então, não terão nunca, com essa média de vida, o acesso ao benefício”, afirmou Wilson.

 

A ideia do governo Bolsonaro, segundo a líder do Governo no Congresso, deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), é fazer a discussão da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 6/19 amanhã 15, mesmo que o debate avance pela madrugada, e votar o texto já na terça-feira, por causa do feriado da Semana Santa.

 

Redação

 


Leia mais notícias sobre o mundo jurídico no Portal Juristas. Adquira seu certificado digital E-CPF ou E-CNPJ com a Juristas. Entre em contato através do WhatsApp (83) 9 93826000

 

Notícias relacionadas

Roberto Paulino confirma intenção do MDB em se alinhar ao Governo João

Há uma inclinação do MDB da Paraíba para se aliar ao Cidadania do governador João Azevêdo. A informação é do presidente interino da legenda, o ex-governador Roberto Paulino (MDB), que…

CCJ da ALPB rejeita texto que torna igrejas como atividade essencial na Paraíba

Na manhã desta sexta-feira (05), a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) rejeitou o projeto de Lei de autoria do deputado Jutay Meneses (Republicanos),…