A bancada federal paraibana está afinada quando o assunto é reforma da Previdência. Esse tom foi observado na manhã desta segunda-feira, durante evento no Hospital Napoleão Laureano, quando o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, assinou portarias destinadas ao tratamento do câncer e melhorias na rede hospitalar do Estado. Na solenidade o que se viu foi a observação que o texto enviado ao Congresso pelo Governo Federal necessita de ajustes, estando na tramitação da pauta a necessidade de diálogo intenso entre Executivo e Legislativo.

 

Para o senador José Maranhão, presidente estadual do MDB, sua legenda não definiu se irá ser oposição ou não ao governo do presidente Jair Bolsonaro, observado que no Congresso nada é fácil, referindo-se ao texto da reforma previdenciária. “Eu não acho que será fácil, como nada que ocorre  no Congresso Nacional, sobretudo hoje, com o fracionamento das bancadas, muitos partidos estão presentes, e cada cabeça é um mundo, mas eu acho que essa negociação deve haver, é preciso haver, para que a decisão necessária possa ocorrer o mais breve possível”, frisou.

 

Na mesma linha de raciocínio do medebista está o deputado federal Efraim Filho (DEM), líder bancada federal paraibana no Congresso.  O parlamentar reconheceu as dificuldades de diálogo entre Bolsonaro e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia,  com relação à própria tramitação do texto da reforma da Previdência. Além das “escaramuças” envolvendo Legislativo e Executivo, o texto em si não agrada sua sigla na totalidade, cuja sua concepção  está pautada em ajustes importantes.

 

“ A  proposta tem resistência na questão do aposentado rural, no  benefício da prestação continuada, situação que nós, do Nordeste, essencialmente não concordamos.  Agora têm outras pautas positivas, como a quebra de privilégios, a igualdade entre todos nos novos regimes. Então é tirar aquilo que tem sido vítima de resistências. Eu pessoalmente voto contra a mudança do aposentado rural, mas apoio a quebra de privilégios”, salientou.

 

O deputado federal Ruy Carneiro (PSDB) foi outro que defendeu o diálogo intenso antes de qualquer votação, objetivando uma reforma que não sacrifique de forma contundente a população, principalmente aquelas pessoas de baixa renda, a mulher, o idoso e o trabalhador rural. O tucano lembrou que as conversações estão no início, estando seu partido e suas convicções individuais contrárias a pontos controversos do texto enviado pelo Executivo ao Legislativo.

 

“Eu, particularmente,  no texto atual  voto contra.  Vamos ver o que o Congresso vai construir ao longo desse tempo.  Está cedo ainda. Os debates vão começar agora. Tem a questão rural, que no meu entendimento é muito pesada.  A do BPC (benefício de prestação continuada) também um equívoco. O aumento exagerado na aposentadoria das mulheres, de 55 anos para 62. Você está falando aí num aumento de sete anos de uma vez só; enfim, tem uma série de pontos, que se forem bem reconstruídos, poderá contar com nosso apoio”, ressaltou.

 

Eliabe Castor

PB Agora

 

Foto: Agência Câmara


Veja como adquirir a certificação digital para pessoa física sem burocracia

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Filho de Dinaldo Wanderley revela que corpo do seu pai vai ser cremado

Por meio das redes sociais o filho do ex-prefeito e ex-deputado estadual Dinaldo Wanderley, Dinaldinho Wanderley disse que o corpo de seu pai, será cremado em João Pessoa, em cerimônia…

Políticos paraibanos lamentam morte de Dinaldo Wanderley por Covid-19

Diversos políticos paraibanos lamentaram neste domingo (24), a morte do ex-deputado estadual e ex-prefeito de Patos, Dinaldo Wanderley, ocorrida hoje, por Covid-19, causou comoção à classe política paraibana. Dinaldo estava…