Por pbagora.com.br

RC vê incapacidade de Cartaxo e acusa administração de estabelecer um clima de guerra para encobrir ineficiência e incompetência da gestão municipal

A repercussão em torno dos embargos apresentados pela gestão municipal às obras do Governo do Estado em João Pessoa gerou grande insatisfação no governador Ricardo Coutinho (PSB), que não poupou críticas e acusou a administração da Capital de tentar estabelecer um clima de guerra simplesmente para encobrir uma ineficiência, incompetência e incapacidade para executar projetos em prol dos pessoenses.

Apesar de os embargos já terem sido revertidos, o governador Ricardo Coutinho classificou a atitude da prefeitura de João Pessoa como um ato mesquinho.

“Na qualidade de governador, não posso ter outra posição a não ser rechaçar profundamente esse tipo de política mesquinha, João pessoa não merece isso, João pessoa merece um governo que esteja à altura daquilo que sua população conseguiu produzir de avanço ao longo dos últimos anos, João Pessoa criou o Orçamento Democrático, quintuplicou o número de creches, construiu e reformou 74 praças,, visando políticas públicas, criou o Empreender, então avançamos muito e não dá para nesse momento reagir com esse tipo de postura que visa somente criar um clima de guerra para encobrir a ineficiência e a incompetência da gestão”, detonou.

O governador Ricardo Coutinho chegou até mesmo a reconhecer que a política de segurança no Estado não é um mar de rosas. “A política de segurança precisa avançar muito mais, agora eu tenho eu tenho que ter o respeito pela população, eu não posso tentar criar situações de estremecimento, uma guerra com outros poderes para encobrir a minha ineficiência”, explicou.

ACUSAÇÃO

O governador Ricardo Coutinho ainda acusou a gestão municipal de estar com todas as obras irregulares junto à própria gestão municipal.

“Eu disse aqui e vou repetir: apresente-me uma obra da prefeitura? Que seja fechamento da própria prefeitura, pelo que sei todas as obras da prefeitura estão irregulares, junto a própria prefeitura, o que é pior ainda e é isso que estou dizendo, que o que a gestão municipal quer é apenas encobrir ineficiência, porque João Pessoa avançou muito rápido e vemos hoje que ess ritmo claramente vem caindo, de obras, diálogos, qualidade, coleta de lixo, basta andar pela cidade e isso todo mundo percebe”, asseverou.

Ricardo Coutinho ainda lamentou o fato de a prefeitura ter cercado o terreno do Estado, em Mangabeira, com a alegação de que iria construir um terminal de integração.

“Imagina se essa lei impera de uma pessoa querer tomar conta da casa dos outros com a alegação de que vai fazer uma construção, e eu digo, aquele espaço não dá para fazer um terminal, e depois dessa ação veio os embargos e isso só ratifica o que eu digo que, que fazem o trabalho e lançam essas medidas apenas para não admitir o fato de não fazer”, finalizou.
 



Márcia Dias

PB Agora

Notícias relacionadas

2021 terá edição do maior São João do Mundo, em CG, só que de forma virtual

O ano de 2021 terá mais uma edição do maior São João do Mundo, em Campina Grande, na Paraíba. A festa, no entanto, terá adaptações por conta da pandemia do…

Em nota, presidente da CMCG esclarece alerta do TCE a respeito de pagamentos previdenciários

Após alerta do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (TCE-PB) relacionado a “pagamento de contribuições patronais previdenciárias abaixo da estimativa” pela Câmara Municipal de Campina Grande, o presidente da…