Por pbagora.com.br

“Não podemos transferir essa conta para o contribuinte”, disse

O deputado estadual Raniery Paulino, do PMDB, defendeu, nesta quinta-feira (09), um debate amplo na Assembleia Legislativa da Paraíba que vise a diminuição da carga tributária para a população. A reação veio após a aprovação, pela Comissão da Câmara, de um fundo partidária no valor de R$ 3,6 bilhões só para as eleições no país. Segundo ele, quem paga essa conta, ainda hoje, é o contribuinte.

“A Ambev fechou suas portas aqui na Paraíba devido reclamando da carga tributária. Quando se fala em fundo partidário, em R$ 3,6 bilhões de reais, de onde vem esses recursos? Vem do contribuinte, vem do pagamento de impostos. Então é oportuno fazermos essa discussão aqui na Casa”, falou.

O peemedebista deixou claro que é contra o fundo partidário e ressaltou que as reformas administrativas devem vir de cima para baixo, primeiro mexendo e otimizando o custo da máquina pública, das Câmaras, do Congresso, dos tribunais, da justiça e do executivo;

“Sou contrário a esse fundo partidário. Não podemos transferir essa conta para o contribuinte. Temos que primeiro começar a reforma do custo da máquina pública, das câmaras, das assembleias, do congresso, dos tribunais, da justiça, do executivo. No meu entendimento dá sim para se fazer mais com menos. Temos que racionalizar isso. Não temos condições de transferir essa conta para os contribuintes numa economia já tão combalida como a economia brasileira”, arrematou.



PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

PESQUISA IBOPE: rejeição de Bolsonaro chega a 41% em João Pessoa

A pesquisa do Ibope Inteligência, em João Pessoa, divulgada nessa terça-feira (24), mostrou que o presidente Jair Bolsonaro vem traçando uma trajetória descendente com relação à aprovação do seu governo…

Opinião: Cícero não pode declarar “já ganhou” e Nilvan desistir, pois a votação ainda não aconteceu

O artigo de hoje não terá preâmbulo. Ele não irá “passear” no cosmos. Haverá, sim, uma “Conversa Afiada” como diria o saudoso Paulo Henrique Amorim. E claro; o diálogo terá…