Por pbagora.com.br

A reação da oposição em Campina Grande em se posicionar contrária ao fim do racionamento de água, anunciada na manhã de ontem, terça-feira (09), recebeu uma tréplica do secretário de Comunicação do Governo do Estado, Luís Tôrres, nesta quarta-feira (09), que tachou a postura de medíocre.

A declaração do secretário foi postada por ele em sua página, no facebook.

“Quando vejo a oposição ao Governo do Estado em Campina Grande, me convenço da mediocridade de sua existência. A fantasia que resolveu usar agora é de combater o fim do racionamento de água na cidade e região. É possível imaginar um negócio desses? “, postou.

Para o secretário, a oposição só é contra o fim do racionamento porque a medida foi tomada pelo Governo Ricardo. Ele acredita que a rejeição é mera picuinha.
“Tudo porque foi o governo Ricardo Coutinho, isso dói nos ouvidos de alguns deles, que anunciou com segurança a volta da normalidade do abastecimento de água em Campina, em razão das águas do São Francisco e da execução de obras e ações importantes no setor hídrico”, declarou.

O secretário ressaltou, que apesar das críticas, o próprio prefeito Romero Rodrigues cobrou do Governo que ele colocasse um fim no racionamento.

“Tristes inimigos de Campina Grande. Esquecem até que o prefeito Romero Rodrigues, cujo esporte preferido é tentar colocar a cidade contra o governo, cobrou mais de uma vez para que o governo do Estado pusesse fim ao racionamento de água”, arrematou.

 

LEIA A PUBLICAÇÃO NA ÍNTEGRA

 

Tristes inimigos de Campina Grande…


Quando vejo a oposição ao Governo do Estado em Campina Grande, me convenço da mediocridade de sua existência. A fantasia que resolveu usar agora é de combater o fim do racionamento de água na cidade e região. É possível imaginar um negócio desses?


É possível acreditar que eles desejam que Campina continue vivendo numa rotina de falta de água que não condiz com o tamanho nem com a dinâmica econômica e social da cidade? Acreditem. Estão fazendo. A mediocridade, pra não dizer a desumanidade, empurram-no a desejarem isto.


Tudo porque foi o governo Ricardo Coutinho, isso e dói nos ouvidos de alguns deles, que anunciou com segurança a volta da normalidade do abastecimento de água em Campina, em razão das águas do São Francisco e da execução de obras e ações importantes no setor hídrico.


Desejam que nada dê certo na Paraíba e, em especial, em Campina Grande. Desejam que a Avenida Almeida Barreto, duplicada pelo governo, afunde num buraco gigante. Assim como a Avenida João Suassuna, a estrada Catolé a Conde da Boa Vista e, quiçá, a estrada de Jenipapo.


Desejam que desmorone o Instituto de Polícia Científica, o Condomínio Ciadade Madura, o Centro de Formação dos Professores, o Cine São José, e que o Parque Bodocongó seja invadido por animais selvagens. Desejam que operários sejam acidentados na construção da Escola Técnica Estadual.


Desejam tudo isso porque preferem desejar o mal ao povo de Campina Grande do que ver a satisfação da população em se beneficiar com alguma ação oriunda do governo. Agem como se fossem os únicos autorizados a fazer o bem e o mal à cidade.


Tristes inimigos de Campina Grande. Esquecem até que o prefeito Romero Rodrigues, cujo esporte preferido é tentar colocar a cidade contra o governo, cobrou mais de uma vez para que o governo do Estado pusesse fim ao racionamento de água. ( Conforme aponta a imagem abaixo).


E agora desejam que os moradores de Campina continuem acordando sem saber com vão lavar-se, dar banho em seus filhos, assegurar a limpeza de suas residências, de seus comércios, obrigados a comprar água potável, e condenados a toda sorte de transtorno que causa uma interrupção de abastecimento, fruto de uma longa estiagem que ameaçou fazer sumir o Açude de Boqueirão.


Não seria mais correto, honesto, eficiente e justo com o povo de Campina Grande se estivessem anunciando que estarão vigilantes para o cumprimento da promessa do governo do Estado?


Seria sim. Mas se se importassem, efetivamente, com Campina Grande. Importam-se apenas com a tentativa de sucesso político pessoal. Sim, isto é que é oportunismo.


Ao ponto de desejaram, no íntimo, que as águas do São Francisco “emperrassem” em algum lugar no leito do Rio Paraíba a fim de não darem esse “gostinho” ao governo. Fizeram previsões sinistras sobre a não chegada das águas. É capaz de terem até rezado por isso. Deus tenha piedade destes.


E tenha mais ainda dos filhos e filhas de Campina Grande, que possuem parte de sua representatividade política tão mesquinha como a que estamos vendo. Eles, esses tais “representantes”, são opositores sim. Mas de Campina Grande. Do governo do Estado, são apenas tristes e raivosos despeitados.

 



PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

João garante presença em reunião com bancada da PB: “Faço questão”

O governador João Azevêdo vai se reunir, na próxima segunda-feira (07), em Brasília com o grupo de planejamento para definir as obras e prioridades que vamos apresentar ao deputado federal…

Na mira do MP: 22 prefeitos não assinaram acordos para o fim dos lixões na Paraíba

O Ministério Público estadual (MPPB) deu prazo de um ano para que prefeitos paraibanos fechassem lixões e dessem destino adequado a resíduos sólidos – o prazo será encerrado em 1º…