‘PT não deve se desentender com o PMDB neste momento’, disse ele.
Para Dirceu, decisões sobre comando de ministérios cabem à Dilma.

 

O ex-ministro José Dirceu falou nesta sexta-feira (19), durante encontro do Diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores (PT), sobre manobra do PMDB para criação de um "blocão" de partidos da base aliada na Câmara dos Deputados. Para Dirceu, “PT e PMDB estão condenados a se entenderem e governar juntos".

José Dirceu disse ainda que o PT não deve se desentender com o PMDB neste momento. “Seria irresponsabilidade nossa nos desentender. Temos absoluta necessidade de nos entendermos com eles (PMDB)”, declarou José Dirceu.
 

De acordo com Dirceu, o PT é o maior partido do país, porque o critério mais usado nas democracias é a eleição para a Câmara, e o PT foi o mais votado, além de ser o partido da presidente eleita. Para ele, o PMDB é o segundo maior partido. "Os partidos vão jogar o papel que tem. O PMDB é o segundo maior partido do país e tem uma influência decisiva no parlamento. O PT é o partido que tem de ter mais responsabilidade, porque é partido da presidente eleita", afirmou o ex-ministro.

Dirceu também citou as outras legendas que fizeram parte da coligação que elegeu Dilma Rousseff para a Presidência da República e disse que as decisões sobre a escolha para os ministérios serão da presidente eleita. "Todos os partidos tem o direito de se manifestar, mas as decisões dos ministérios são da presidente eleita”, afirmou.
 

 

G1

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

CRISE NO PSB: “Temos que aguardar o último capítulo dessa novela” diz Hervázio

Na manhã desta segunda-feira (14), durante entrevista a uma emissora de rádio da Capital paraibana, o secretário da Juventude, Esporte e Lazer da Paraíba, deputado Hervázio Bezerra (PSB) disse que…

Deputada estadual exonera assessor acusado de assédio

A deputada estadual Doutora Paula (PP) exonerou um de seus assessores, após ele ser acusado de assédio sexual e de divulgar nas redes um vídeo íntimo da mulher assediada. O…